Expectativa de manutenção dos juros, aqui e nos EUA – Exame

Por aqui, a avaliação geral é que, com a economia patinando, não há pressão sobre os preços

Por EXAME Hoje

access_time 1 ago 2018, 07h35 – Publicado em 1 ago 2018, 06h53

O Banco Central brasileiro e seu equivalente americano, o Federal Reserve, anunciam hoje suas decisões sobre as taxas de juros. Por razões diferentes, a expectativa é que os juros sejam mantidos nos dois países.

Por aqui, a avaliação geral é que, com a economia patinando, não há pressão sobre os preços. O aumento recente da inflação – o IPCA de junho ficou em 1,26%, o maior índice para o mês desde 1995 – foi causado, na opinião da maioria dos analistas, pelo desabastecimento provocado pela greve dos caminhoneiros e não deve persistir. Não haveria, portanto, por que aumentar os juros.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

A projeção média do mercado financeiro indica que a taxa Selic deve continuar em 6,5% até dezembro. Poderia subir apenas em 2019 – por motivos bons ou ruins. Se o próximo presidente acertar a mão, a economia poderia voltar a crescer, pressionando os preços, o que justificaria a elevação dos juros. Caso o novo governo seja uma decepção, o real tende a desvalorizar, pressionando os preços, o que justificaria a elevação dos juros.

Nos Estados Unidos, a economia está crescendo, mas a inflação está sob controle, ao menos por enquanto. O Fed elevou os juros em março e junho, e os analistas consideram uma nova alta improvável agora. Ontem, foi divulgado o índice de inflação PCE, que é monitorado pelo Fed e serve de subsídio para suas decisões de política monetária. O núcleo do índice ficou em 1,9% em junho, enquanto a meta do Fed é de 2%. “Ou seja, no curto prazo, não vemos grandes pressões inflacionárias”, diz um relatório da empresa de investimentos Guide.

A reunião do Fed acontece pouco depois de o presidente Donald Trump ter dado mais uma escorregada ao falar sobre a condição da política monetária americana. Ele criticou a atuação do Fed, dizendo que o aumento de juros valorizava demais o dólar e tornava as exportações do país menos competitivas.

É pouco provável que a insatisfação de Trump tenha alguma influência sobre as decisões do Fed. Os economistas esperam ao menos mais uma elevação dos juros até o fim do ano, já que a retomada da economia deve acabar provocando aumentos de preços.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!