Entidades aprovam manutenção dos juros, mas pedem reformas

A manutenção dos juros básicos da economia em 6,5% ao ano, no menor nível da história, agradou ao setor produtivo. Diversas entidades consideraram acertada a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, mas pediram o aprofundamento de reformas estruturais para que os juros continuem baixos no médio e no longo prazo.

Em nota, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) informou que a autoridade monetária não surpreendeu o setor produtivo. A própria confederação prevê que o Banco Central não mexerá na Selic (juros básicos da economia) até o fim do ano, mas pediu que o próximo governo prossiga com o ajuste fiscal que reduza o gasto público para que a redução dos juros seja sustentável e sem impactos na inflação.

A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) elogiou a decisão do governo. Para a entidade, a atividade econômica ainda se recupera de maneira lenta. A geração de empregos formais mostrou um inesperado saldo negativo em junho e as expectativas de inflação seguem abaixo da meta estabelecida. A Federação também cobrou a retomada de reformas estruturais, para que a produção, o consumo e o investimento possam se recuperar de forma sustentável, com inflação e juros baixos.

A Associação Comercial de São Paulo classificou de correta a manutenção dos juros básicos. Segundo a entidade, o fato de a inflação estar próxima do centro da meta, a fraqueza da atividade econômica e a normalização dos preços após o fim da greve dos caminhoneiros não justificariam uma elevação nos juros básicos.

Edição: Denise Griesinger

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!