O Brasil Não É Para Principiantes – Investing.com

O mercado financeiro deve redobrar a postura defensiva hoje, com o noticiário político das últimas horas reforçando a complexidade do cenário eleitoral no Brasil a cerca de três meses das eleições presidenciais e com a disputa ainda totalmente indefinida e em aberto. A cautela no exterior por causa da guerra comercial contribui para o sentimento mais negativo nos negócios locais.

O dia foi de perdas aceleradas na Ásia, com quedas de mais de 2% em Xangai e em Hong Kong, após os Estados Unidos confirmarem a intenção de elevar de 10% para 25% as tarifas sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses. O mais recente lance da Casa Branca na saga protecionista ofusca a mensagem otimista do ontem e aciona a busca por proteção, inibindo o apetite por ativos de risco.

O sinal negativo se espalha para as bolsas europeias e os índices futuros em Nova York, com os investidores abalados pelas novas ameaças do governo Trump ao livre comércio. O ganha terreno em relação às moedas rivais, com destaque para o novo recorde de baixa da lira turca, após sanções impostas ao país pelos EUA. Os metais básicos estendem o declínio, mas o se estabiliza.

Por aqui, os investidores digerem a movimentação na cena política à luz das eleições de outubro e até podem se animar com o isolamento da candidatura de Ciro Gomes, após o acordo fechado entre PT e PSB. A leitura mais imediata é de que tal aliança pode beneficiar Geraldo Alckmin (PSDB) no pleito. Mas o cenário é bem mais complexo.

A começar pela decisão da Corte Suprema (STF) de julgar o pedido de liberdade do ex-presidente Lula até o dia 15 de agosto, quando termina o prazo para o registro das candidaturas ao pleito de outubro. A sessão deve ser marcada já na próxima semana, assim que a pauta for liberada pelo relator, o ministro Edson Fachin.

Preso há mais de cem dias, Lula estaria articulando os movimentos da campanha do PT, visando isolar o rival à esquerda mais competitivo na disputa para presidente. Relatos na imprensa dão conta de que o PT teria desistido de disputar o governo em Pernambuco e em outros três Estados em troca de uma neutralidade nacional do PSB no primeiro turno.

Ciro é o adversário direto do PT na disputa por votos entre os eleitores do Norte e Nordeste. Sem aliança com outros partidos, o candidato do PDT teria apenas 5% do horário eleitoral. E a propaganda gratuita ainda é muito importante, o que beneficia o ex-governador de São Paulo, com cerca de 40% do tempo na TV, após angariar o apoio do “Centrão”.

Contudo, Lula teria usado sua influência no jogo político e feito pesar a relação familiar para a recusa do empresário Josué Alencar como vice do tucano. Além do acordo em Pernambuco, os petistas também vão coligar com o PSB na Paraíba, Amazonas e Amapá. No Maranhão, o PT vai apoiar o PCdoB.

Nos cálculos de Lula, a eleição será novamente polarizada entre direita e esquerda e só há espaço para um nome de cada campo. Nos bastidores, o PT já admite uma eleição sem seu principal líder e veem Manuela D’Ávila como opção. Ontem, em discurso que oficializou sua candidatura, a deputada estadual no Rio Grande do Sul defendeu uma “unidade” da esquerda.

Enquanto a unidade é crucial para a viabilização de qualquer candidatura, os principais rivais à esquerda se digladiam em torno do processo eleitoral, a direita tampouco está fortalecida em um bloco partidário e o Centro falhou em trazer a figura de um outsidercomo alternativa. Portanto, ainda tem muito água para rolar até o eleitor confirmar o voto nas urnas.

Já no front econômico, os bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos não assustaram em suas decisões ontem e falharam em dar pistas sobre os próximos passos, mantendo os investidores em suspense. Mas não se deve esperar a mesma falta de novidade por parte do BC da Inglaterra (BoE), que se reúne hoje para decidir sobre a (8h).

A previsão majoritária é de um novo aumento no custo do empréstimo do país, para 0,75%. Contudo, há apostas residuais de manutenção do juro britânico em 0,50%, diante das incertezas do Brexit. Trata-se de um dos destaques do dia, que traz também a decisão de política monetária do BC do México (Banxico), onde a taxa básica deve seguir em 7,75%.

No Brasil, a Selic ficou estacionada em 6,50% em decisão unânime. No comunicado, o esquivou-se em sinalizar qualquer trajetória para a taxa básica de juros, não dizendo se pensa em elevar, cortar ou manter o custo do empréstimo nas próximas reuniões. Segundo o BC, os próximos passos vão depender da atividade, da inflação e do balanço de risco.

Nesse cenário, o Copom considera tanto os riscos crescentes para economias emergentes advindos do exterior quanto a frustração com as reformas e os ajustes necessários na economia brasileira. Neste último quesito, a eleição deste ano tem um peso importante, tornando-se um fator preponderante para o mercado doméstico no curto prazo.

Nos EUA, o Fed reiterou o ritmo gradual no ciclo de aperto monetário. Ainda assim, o forte crescimento da economia norte-americana no segundo trimestre deste ano e a inflação ao consumidor girando em torno do alvo de 2% sustentam as apostas de que a taxa de juros no país vai subir novamente no mês que vem, para o intervalo de 2% a 2,25%.

O ritmo gradual de aumento do custo do empréstimo mostra que os membros do Fed ainda querem ver se a condição de pleno emprego nos EUA pode continuar atraindo pessoas para a força de trabalho, o que produziria salários cada vez mais altos, acumulando pressão inflacionária. Nesse cenário, segue viva a chance de uma quarta alta neste ano, em dezembro.

Os números robustos da ontem sobre a geração de vagas no setor privado norte-americano reforçam essa perspectiva. Afinal, no auge das férias de verão no hemisfério norte, a economia dos EUA criou 219 mil postos de trabalho, bem mais que a previsão de abertura de 186 mil vagas.

O dado fez com que o rendimento (yield) dos títulos do país de 10 anos (T-note) rompesse a marca psicológica de 3% pela primeira vez em quase 3%. Nesta manhã, o papel segue acima dessa faixa, pressionado também pelo programa de emissão de dívida do Tesouro norte-americano e à espera do relatório oficial de emprego nos EUA (), amanhã.

Combinados, a mensagem levemente dura (“hawkish”) do Fed e o movimento dos bônus norte-americanos buscam atuar na direção de impedir uma apreciação adicional dos ativos de risco pelo mundo. Afinal, o mercado financeiro global está adentrando em um contexto de menor liquidez global, prestes a completar dez anos da crise de 2008.

Hoje, a agenda econômica norte-americana traz apenas os pedidos semanais de feitos no país (9h30). No Brasil, destaque para o desempenho da indústria em junho (9h), que deve mostrar recuperação, devolvendo o impacto da greve dos caminhoneiros na atividade em maio.

A previsão é de expansão de dois dígitos, nas duas bases de comparação. Se confirmada a estimativa, os dados tendem a corroborar a avaliação expressa ontem pelo Copom, de que os efeitos da paralisação do setor de transporte de cargas estão se revelando temporários. Porém, a autoridade monetária não descarta algum impacto mais perene sobre a dinâmica doméstica.

O problema é que a incerteza política no país tem diminuído o ímpeto da recuperação econômica, adiando a decisão de investimento dos empresários e retardando o consumo. O desemprego elevado e a renda salarial baixa também contribuem para a fraca demanda interna, mantendo elevada a ociosidade das empresas e reduzindo o fôlego da economia até o fim do ano.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!