Alckmin defende a abertura comercial e diz que o Brasil ainda é fechado – Exame

O candidato à Presidência pelo PSDB também criticou a guerra comercial que está sendo travada entre os Estados Unidos e a China

Por Estadão Conteúdo

access_time 6 ago 2018, 13h21

Brasília – O candidato à Presidência pelo PSDB, Geraldo Alckmin, que participa de evento promovido pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), defendeu nesta segunda-feira, 6, que o Brasil promova uma maior abertura comercial ao exterior como forma de ampliar a geração de empregos internamente. Ele também criticou a guerra comercial que está sendo travada entre os Estados Unidos e a China.

“Não é bom para ninguém porque uma guerra comercial dessa dimensão leva a um protecionismo dos mercados”, disse. Para o tucano, o enfrentamento entre as duas potências mundiais também diminui a força do crescimento mundial que, para ele, “vai muito bem”.

“Precisamos beneficiar a população com mais concorrência e não com essa diminuição da atividade econômica”, disse. O tucano enfatizou ainda a necessidade de o Brasil ter uma ação mais forte no comércio exterior, “fazendo acordos que nos permitam crescer fortemente”.

“Os países que aumentaram renda tiveram no comércio exterior uma questão importante. O Brasil ainda é fechado. Precisamos de uma agenda de competitividade, reduzindo o Custo Brasil e fazendo acordos comerciais com outros países”, disse.

Alckmin destacou ainda que o Brasil tem domínio sobre os três principais setores que impulsionaram países de renda média a alcançarem renda alta. Ele listou a indústria, os serviços e as commodities como as áreas em que a nação deve investir para alcançar maior inserção global.

Crédito

O candidato do PSDB defendeu ainda o aumento da competição no sistema bancário para baratear o crédito. “Tem de ter mais competição”, afirmou. “Tem de desregular e abrir, trazer mais banco.” Ele disse ter sido questionado se pretende privatizar o Banco do Brasil e a Caixa. “Não! Quero mais bancos, não menos.” Ele citou cooperativas de crédito e fintechs como exemplos de novos players.

Alckmin citou reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo mostrando que os produtos brasileiros custam 30% mais do que no resto do mundo. A primeira causa apontada pelo levantamento, disse ele, é o custo do capital de giro. O spread bancário no Brasil é quatro vezes superior à média mundial, disse. O crédito no Brasil corresponde a 50% do PIB, enquanto no Chile chega a 120%.

Além de estimular a competição, Alckmin acredita que a redução do risco, com queda nas taxas de inadimplência, ajudarão a baratear o crédito. Nesse sentido, ele defendeu a Lei Geral das Garantias, a Lei do Distrato e um sistema de cadastro que dê mais segurança ao mercado.

O candidato participou de uma sabatina nesta segunda-feira promovida pelo grupo Coalizão pela Construção, formado por 26 entidades da indústria da construção. O encontro denominado O Futuro do Brasil na Visão dos Presidenciáveis 2018 é organizado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção, ocorre em Brasília e tem como objetivo “conhecer as ideias e as propostas dos presidenciáveis para o Brasil e para a recuperação do setor”.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!