BC: Com incertezas, o melhor é não dar indicações sobre política monetária – Exame

Em ata do Copom, BC sinalizou que os efeitos da greve dos caminhoneiros, ocorrida em maio, devem ser passageiros

Por Reuters

access_time 7 ago 2018, 09h41

Brasília – O Banco Central reforçou nesta terça-feira que o cenário de inflação continuará favorável se não houver choques adicionais e, diante desse nível de incerteza, o melhor é não dar sinalizações sobre seus próximos passos sobre a trajetória dos juros básicos.

“O maior nível de incerteza da atual conjuntura gera necessidade de maior flexibilidade para condução da política monetária, o que recomenda abster-se de fornecer indicações sobre os próximos passos”, trouxe a ata do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC.

Na semana passada, o BC manteve a Selic em 6,50 por cento ao ano, ressaltando que a retomada da atividade econômica será ainda mais gradual do que a esperada antes da greve dos caminhoneiros, num cenário de menor pressão inflacionária, e que o aumento da inflação decorrente da paralisação vinha se mostrando temporário.

Especialistas leram a mensagem como um sinal de que o BC não deve mexer nos juros tão cedo, em meio à alta ociosidade da economia e expectativas de inflação ancoradas.

Na pesquisa Focus mais recente feita pelo BC junto a uma centena de economistas, foram mantidas as previsões de que a taxa básica de juros será mantida em seu menor nível histórico neste ano, subindo a 8 por cento em 2019.

Na ata, o BC destacou novamente que a atuação da política monetária se dará exclusivamente com foco na evolução das projeções e expectativas de inflação, do seu balanço de riscos e da atividade econômica. E que, portanto, os próximos passos para a Selic dependerão da evolução desses fatores.

“Choques que produzam ajustes de preços relativos devem ser combatidos apenas no impacto secundário que poderão ter na inflação prospectiva. É por meio desses efeitos secundários que esses choques podem afetar as projeções e expectativas de inflação e alterar o balanço de riscos”, informou o BC.

“Esses efeitos podem ser mitigados pelo grau de ociosidade na economia e pelas expectativas de inflação ancoradas nas metas. Portanto, não há relação mecânica entre choques recentes e a política monetária”, acrescentou.

No comunicado sobre a decisão do Copom, o BC já tinha avaliado que a paralisação dos caminhoneiros, ocorrida no fim de maio, aumentaria a inflação de junho. Mas assinalou que dados recentes mostravam que esses efeitos devem ser passageiros, mensagem que repetiu na ata.

“Projeções de inflação para julho e agosto corroboram a visão de que os efeitos desses choques devem ser temporários.”

Por outro lado, o BC ressaltou que o risco de continuidade do processo de ajustes e reformas na economia brasileira e o risco associado a deterioração do cenário para economias emergentes “permanecem em níveis mais elevados”.

Sobre o cenário externo, apontou que “houve certa acomodação das condições financeiras nos mercados internacionais, mas o cenário se mantém mais desafiador”.

Após o câmbio mostrar trégua em julho, depois de forte alta do dólar sobre o real nos meses anteriores, o BC também ponderou que o grau de repasse cambial depende de vários fatores, como o nível de ociosidade na economia e a ancoragem das expectativas de inflação. E que seguirá acompanhando essas medidas.

A próxima reunião do Copom acontece em 18 e 19 de setembro, antes da realização do primeiro turno das eleições presidenciais, em 7 de outubro. O pleito, que promete ser o mais acirrado em décadas, ganha cada vez mais espaço no radar dos investidores, em meio a incertezas sobre as propostas dos candidatos para endereçar o desequilíbrio fiscal do país.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!