“Quem não reformar Previdência não termina mandato”, diz Zeina Latif – Exame

“O Brasil só faz reforma quando tá no sufoco. Se não por convicção, por necessidade”, disse a economista-chefe da XP Investimento em evento em São Paulo

access_time 6 ago 2018, 19h44 – Publicado em 6 ago 2018, 18h36

São Paulo – “Não fazer uma reforma da Previdência é não terminar o mandato. A discussão não é se faz ou não, é de quem entrega mais”, disse nesta segunda-feira (06) a economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif.

A declaração foi dada durante palestra no evento “Perspectiva da Economia Global e do Brasil”, organizado pela agência de classificação de risco Fitch Ratings.

A receita liquida já está 101% comprometida com gasto obrigatório e mais da metade disso é com a Previdência.

“Não tem mais brincadeira: acabou o dinheiro e estamos ficando velhos e pobres, o que não é uma boa combinação”, disse Zeina, citando também o fim do bônus demográfico.

Depois do evento, ela disse à EXAME que a reforma é essencial para a estabilidade política porque manter a trajetória de gastos atual levaria a uma turbulência nos mercados nos moldes de 2015, e uma forte deterioração do ambiente macroeconômico.

O descontrole fiscal acabaria descambando inevitavelmente em alta da carga tributária e/ou um novo espiral inflacionário, ambas “soluções” que já foram rejeitadas historicamente pela sociedade brasileira.

O Fiat Elba e as pedaladas fiscais, que no papel serviram para encerrar os mandatos de Fernando Collor e Dilma Rousseff, teriam sido “secundários”; o que contou mais foi a crise econômica.

Uma volta para a recessão em 2019 e 2020 só entra no cenário de Latif se o próximo presidente “falhar miseravelmente”, o que ela acha ser possível mas não o mais provável.

A falta de alternativas é o motivo pelo qual ela é cautelosamente otimista com os resultados das eleições presidenciais.

Ela acredita que o crescimento econômico, ainda que decepcionante, reduz o apelo dos discursos populistas e que aprendeu-se com os erros de Dilma e a negação dos problemas na campanha de 2014:

“Agora todas as discussões estruturais estão em cima da mesa (…) Vejo propostas equivocadas, por isso o risco da mediocridade, mas não vejo ninguém negando necessidade de reforma da Previdência”.

A experiência dos últimos dois anos de pós-impeachment também teria mostrado que políticos e órgãos de controle estão entendendo a falta de recursos:

“O MDB ter ficado reformista diz algo sobre nosso momento (…) O Brasil só faz reforma quando tá no sufoco. Se não fizer por convicção, faz por necessidade”, completou.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!