Paraguai e Brasil iniciam operações em moeda local para diminuir custos – Exame

Sistema de Pagamento de Moeda Local é um mecanismo que pretende evitar as conversões cambiais e reduzir os custos operacionais nas transações

Por EFE

access_time 7 ago 2018, 17h44

Assunção – Paraguai e Brasil começaram a realizar operações comerciais com o Sistema de Pagamento de Moeda Local (SML), um mecanismo que pretende evitar as conversões cambiais e reduzir os custos operacionais nas transações.

O início da operação foi informado por técnicos do Banco Central do Paraguai (BCP) nesta terça-feira. O SML permitirá que os importadores façam pagamentos em moeda local, seja em reais ou em guaranis, e o exportador receber os valores em sua própria divisa.

A taxa de câmbio será estipulada pelos Bancos Centrais dos dois países, baseada em dados dos mercados internos. O valor é o mesmo, independentemente do volume da operação, e será atualizado sempre às 16h locais, com vigência até o mesmo horário do dia seguinte.

Além disso, cada instituição financeira cobrará de seus clientes as taxas fixadas para esse tipo de operação cambial.

O subgerente de Operações Financeiras do BCP, Holger Insfrán, explicou em entrevista coletiva que o importador deverá ir ao seu banco, solicitar o serviço em moeda local e fornecer os dados da empresa que receberá a transferência.

A instituição financeira pedirá autorização do Banco Central para executar a operação. O dinheiro só sai da conta no dia seguinte.

“A operação é simples, ambos os bancos centrais têm muita pratica em transferências internacionais, experiência em sistemas de pagamentos locais. É uma extensão do que normalmente fazemos no dia a dia”, explicou o subgerente de Operações.

O objetivo da medida é facilitar as operações de pequenas e médias empresas, setores que normalmente operam em moeda local. As grandes companhias fazem a maior parte de seus negócios em dólares.

“O SML não é um mecanismo de cobertura de risco de conversão cambial, mas sim um sistema que busca reduzir os custos operacionais das pequenas empresas”, explicou Insfrán.

Além disso, os dois países apostam que a entrada em funcionamento do sistema pode reduzir os custos dos fretes, das transferências de pequeno valor e de investimentos diretos.

A assinatura do convênio para implementar o SML ocorreu em 2015, mas o sistema só começou a operar ontem. O mecanismo foi criado dentro do Mercosul, em 2007, com um primeiro acordo entre Brasil e Argentina.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!