Mercado subestima riscos políticos, diz Gustavo Loyola – Exame

Para ex-presidente do Banco Central, mercado subestima possibilidade de vitória da esquerda e a falta de governabilidade de Bolsonaro

Por Josue Leonel, Patricia Lara e Fernando Travaglini, da Bloomberg

access_time 9 ago 2018, 18h15 – Publicado em 9 ago 2018, 16h48

O mercado brasileiro subestima os riscos associados à eleição presidencial, que deve gerar mais volatilidade nos ativos financeiros até o fim do ano, afirma Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central e sócio-diretor da Tendências Consultoria, em entrevista no escritório da Bloomberg em São Paulo.

O entusiasmo de parte do mercado com a defesa das reformas feitas mais recentemente pelo candidato Jair Bolsonaro, líder nas pesquisas sem o ex-presidente Lula, ignoraria os riscos de governabilidade que devem emergir se for eleito um candidato sem base parlamentar. “Não adianta ter boas ideias e zero de apoio no Congresso”, diz Loyola.

Logo no início do governo poderá haver uma reversão do humor dos investidores à medida que fique claro que o novo presidente não conseguirá entregar suas propostas, afirma Loyola. Bolsonaro, um “recém convertido” às reformas, é assessorado por Paulo Guedes, um economista de perfil liberal, mas que não tem experiência em cargos públicos.

Risco PT

Outro risco minimizado pelo mercado seria o de vitória da esquerda. Caso se confirme um elevado grau de transferência de votos de Lula, o candidato petista – que tende a ser Fernando Haddad – teria a ida garantida ao segundo turno, avalia o ex-presidente do BC.

Ainda que Haddad seja visto como um petista pragmático, ele não teria a mesma liderança que teve Lula para não se submeter à agenda mais esquerdista do partido. “O PT hoje tem uma agenda mais radical”, segundo Loyola.

Loyola vê Geraldo Alckmin como o nome com maior potencial de ser bem recebido pelo mercado em caso de vitória. O maior desafio para o ex-governador continua sendo deslanchar nas pesquisas e superar Bolsonaro. O ex-capitão do exército vem tendo a preferência do eleitorado conservador que vinha optando justamente pelo PSDB nas últimas eleições.

Pesquisa CNT-MDA divulgada nesta quarta-feira, com as intenções de votos em São Paulo, reafirmou a liderança do candidato do PSL, com 18,9%, ante 15% de Alckmin, 8,4% de Marina Silva e 8,3% de Haddad no cenário sem Lula.

Diferentes cenários

O diretor da Tendências considera três cenários para o Brasil após as eleições. O mais provável, com 55% de chance, é o moderado, com um governo reformista que, dada a circunstância política, não faria as reformas em sua plenitude, levando a um crescimento médio de 2,5% ao ano, em meio a um quadro externo neutro.

O cenário mais pessimista, com 35% de chance, é visto como muito mais provável que o positivo, com apenas 10%. No pessimista, assume um governo não-reformista em uma conjuntura internacional complicada, levando a um crescimento anual de até 1%.

Já o quadro otimista exige um governo pró-reformas e com capacidade de aprová-las no Congresso, além de ser beneficiado por um exterior benigno.

Embora espere mais volatilidade, Loyola pondera que o Banco Central conta com reservas elevadas e pode minimizar a pressão sobre o dólar. Mercados menos expostos à intervenção, como juros e bolsa, poderiam oscilar mais.

O ex-BC também não considera, mesmo em seu cenário mais negativo, o risco de o país entrar numa crise à la Venezuela. Ele confia que as instituições do país tendem a limitar o potencial de os governos promoverem políticas mais extremistas na economia.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!