‘Jogo de planilhas’ é comum em todas as obras do Dersa, afirma engenheiro – Isto É

O engenheiro Benedito Trida, ligado ao Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A), afirmou em depoimento à Polícia Federal, que ‘jogo de planilhas é comum em todas as obras’ da estatal paulista. O ‘jogo de planilhas’ foi citado na denúncia do Ministério Público Federal contra Benedito Trida e outros 13 investigados da Operação Pedra no Caminho por organização criminosa e fraude à licitação nas obras do Rodoanel Norte.

A força-tarefa da Lava Jato, em São Paulo, afirma que o esquema operou fraudes no Rodoanel entre outubro de 2014 até a deflagração da operação, em junho passado. Segundo os investigadores, o superfaturamento de contratos ligados à obra era disfarçado pelo ‘jogo de planilhas’.

Benedito Trida prestou depoimento à PF em 21 de junho, dia em que a Pedra no Caminho foi deflagrada. O executivo disse à PF que ‘nunca recebeu vantagem indevida (propina) para praticar, retardar ou deixar de praticar ato de seu ofício e não conhece nenhum caso de pagamento de propina no Dersa’.

Naquele dia, o engenheiro disse aos investigadores estava na companhia desde 2003 e exercia ‘a função de engenheiro fiscal do contrato 4.349/13, referente ao Lote 2 do Rodoanel – trecho Norte, desde o ano de 2013’. Na prática, segundo o engenheiro, ele permanecia na obra, ‘fiscalizando a qualidade do serviço e apurando, mediante medições mensais, a quantidade do serviço’.

“Está acumulando a função de fiscal de obra do lote 3 também, desde final do ano de 2017; que acredita que já tenham existido cerca de treze termos aditivos implementados no contrato da OAS S/A, no âmbito do Rodoanel – Trecho Norte, Lote 2; que desses treze aditivos, cerca de nove foram referente a alteração de preço ou inclusão de novos serviços”, afirmou.

À PF, Benedito Trida confirmou ‘o fato de que, por ocasião do 1° e 3° Termo Aditivos ao contrato do Lote 2 da OAS das obras do Rodoanel – Trecho Norte, ocorreu redução de quantitativos de outros serviços, para compensar os acréscimos efetuados nos Termos Aditivo’. O engenheiro citou um ex-gestor do empreendimento Pedro Paulo Dantas Amaral.

“Esse jogo de planilhas é comum em todas as obras do Dersa e seguiu orientação da gerência, sr. Pedro Paulo”, declarou.

“A ideia era alterar o quantitativo de alguns itens, para permitir o pagamento maior previsto no aditivo para outros itens, de forma que a soma total dos gastos permanecesse o mesmo, para evitar o “estouro financeiro”; que posteriormente, quando for autorizado um financeiro maior, providencia-se a elevação, novamente, dos itens reduzidos; que confirma não ser possível a conclusão da obra com a redução de quantitativos operada nesses aditivos 1 e 3.”

De acordo com o engenheiro, ’em algum momento seria necessário recompor o que foi reduzido’. Trida confirmou ‘ter determinado essa alteração de quantitativos de serviços da planilha orçamentária do Lote 02, para evitar o estouro financeiro’.

Trida apontou o nome do técnico que ‘efetivamente lançou essas alterações no sistema’. Disse ainda que o técnico o fez ’em obediência a uma ordem’ sua.

“Não recebeu solicitação ou determinação de superiores do Dersa S/A para efetuar essa adequação de quantidades da planilha orçamentária, de modo a resultar em impactos nulos do 1° e do 3° TAM do Lote 02. Porém, essas alterações eram de conhecimento de Pedro Paulo, chefe do declarante; que o declarante não agiria assim sem a aprovação de Pedro Paulo”, declarou.

Segundo a acusação do Ministério Público Federal, um aditivo ligado ao contrato do Lote 2 previa a inclusão de serviços de remoção de matacões (rochas) a céu aberto e acabou estendido para os lotes 1, 3, 4 e 5 da obra. A Lava Jato afirma que os aditivos se baseavam na ‘presença inesperada’ de matacões que precisavam ser removidos. Os procuradores relataram que, desde o projeto básico do Rodoanel, já se sabia que o trecho norte passaria pela rochosa Serra da Cantareira e que tal questão geológica era prevista. A remoção dos matacões, portanto, seria um custo que compunha os preços previstos para cada lote.

No depoimento, Benedito Trida foi questionado sobre o aditivo ‘que acrescentou novos serviços relacionados à existência de matacões’. O engenheiro confirmou que encaminhou a solicitação da OAS ao gestor do contrato ‘sem tecer análise técnica sobre a plausibilidade do pedido, pois não cabe ao fiscal da obra opinar, mediante parecer técnico, sobre esse assunto’.

“Confirma ter feito uma observação, no sentido de que o serviço necessário não estava contemplado na planilha contratual para execução de remoção com ocorrência de blocos de rocha nas

frentes dos serviços de terraplanagem; que no entender do declarante, o quantitativo de rochas encontrado no local de execução da obra era em muito superior à quantidade prevista no contrato inicial e, de fato, demandava um gasto muito grande, não previsto inicialmente”, afirmou.

“O mesmo ocorreu quanto à composição de preços na qual houve o surgimento de matacões no emboque do túnel; que não recebeu solicitação ou determinação de superiores hierárquicos do Dersa S/A para propor a inclusão de referidas composições de preço.”

O engenheiro disse à PF que ‘tomou conhecimento que, posteriormente, houve um parecer do Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, concluindo que a presença de matacões naquele ambiente geológico era perfeitamente previsível’.

“Contudo, ao ler o parece do IPT, verificou que na área analisada por eles não havia a grande quantidade de matacões encontrada nas áreas em que o declarante acompanhou a obra; que indagado sobre o motivo de, mesmo após os resultados desse relatório do IPT, o Dersa ter continuado realizando pagamentos pelos serviços de pregagens e enfilagens na ocorrência de matacões, respondeu que os pagamento continuaram até o limite do que já havia sido incluído anteriormente na planilha da obra. Depois disso, não houve mais pagamentos”, declarou.

COM A PALAVRA, A DERSA

“A DERSA – Desenvolvimento Rodoviário S/A e o Governo do Estado de São Paulo são os grandes interessados acerca do andamento das investigações. Todas as obras realizadas pela Companhia foram licitadas obedecendo-se à legislação em vigor. Além disso, a obra foi iniciada somente com o projeto básico. Portanto, após a elaboração do projeto executivo, quando as medições são ajustadas, é possível que haja acertos.”

“A DERSA ressalta que se houve conduta ilícita com prejuízo aos cofres públicos, o Estado irá cobrar as devidas responsabilidades, como já agiu em outras ocasiões. A Companhia reforça seu compromisso com a transparência e se mantém, como sempre o faz, à disposição dos órgãos de controle para colaborar com o avanço das investigações.”

COM A PALAVRA, PEDRO PAULO DANTAS DO AMARAL

A reportagem tentou contato com a defesa. O espaço está aberto para manifestação.

O post ‘Jogo de planilhas’ é comum em todas as obras do Dersa, afirma engenheiro apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!