Economias emergentes ficam fragilizadas por queda brusca da lira turca – Exame

Do rand sul-africano ao peso argentino, passando pelo real brasileiro e pelo rublo russo, a maioria das divisas emergentes afunda há uma semana por conta da queda vertiginosa da lira turca, uma prova da vulnerabilidade destas economias, muito dependentes do capital estrangeiro.

A crise entre Washington e Ancara, primeiro política – pelo desacordo sobre o destino de um pastor americano julgado na Turquia por terrorismo e espionagem -, se estendeu rapidamente para o terreno econômico.

As sanções, como duplicar as tarifas americanas sobre o aço e alumínio turcos, se sucederam às declarações diplomáticas ameaçadoras, deixando os mercados mundiais muito nervosos.

Apesar de a lira turca, que perdeu 19% frente ao dólar na sexta-feira passada, ser protagonista da crise, outras moedas emergentes entraram no bolo.

Em uma semana, o rand sul-africano e o rublo russo perderam 8% ante o dólar, alcançando seu nível mais baixo, na manhã desta segunda, em dois anos.

A mesma tendência foi seguida pelo real (-4%) e o peso argentino, que cedeu quase 6% desde segunda passada.

O índice MSCI que reagrupa cerca de 20 moedas estrangeiras caiu a seu nível mais baixo em um ano.

O efeito dominó desta crise turco-americana se evidencia principalmente no nível de vulnerabilidade frente ao dólar e, de maneira geral, frente aos investidores das economias emergentes.

A rúpia indonésia, por exemplo, está em seu nível mais baixo frente ao dólar desde outubro de 2015, depois que o país anunciou no fim de semana seu maior déficit de contas correntes em quatro anos, um indicador da dependência da Indonésia do financiamento estrangeiro.

“O contexto atual é cada vez mais preocupante para os mercados emergentes. Em particular, para a África do Sul, já que nos tornamos dependentes das entradas de capital estrangeiro”, assinala, por sua vez, o economista sul-africano Gavin Keeton no jornal “Business Day”.

Círculo vicioso

Desde o início do ano e da aceleração do aumento dos juros nos Estados Unidos, as moedas destes países se ressentem.

O fim da política monetária americana complacente pune em primeiro lugar esses países, que se financiam nos mercados internacionais para incentivar seu crescimento e desenvolvimento, mostrando assim sua fragilidade interna.

Os investidores estrangeiros preferem migrar para o mercado americano, mais lucrativo, e abandonar os mercados emergentes.

Este mecanismo cria um círculo vicioso: a divisa local perde terreno frente ao dólar, o custo das importações aumenta de maneira automática e, com este, a inflação, animando os investidores estrangeiros a recuperar o que foi investido.

“As ameaças protecionistas de Donald Trump, que vão necessariamente contra a perspectiva de crescimento dos intercâmbios mundiais, de igual maneira são nefastas para o mundo emergente”, explica a economista Véronique Riches-Flores.

“Se a isso se soma a alta dos juros nos Estados Unidos, nos vemos diante de um conjunto que se torna muito negativo e autodestrutivo”, prossegue.

A moeda da Argentina, que obteve recentemente um empréstimo de 50 bilhões de dólares do FMI para enfrentar a desvalorização do peso, e desabou 35% entre abril e junho, é um exemplo.

E o mesmo na Turquia, onde a escalada das tensões com os Estados Unidos não fez mais do que agravar a situação da lira, que já perdeu muito terreno desde janeiro (-40% frente ao dólar). A inflação atingiu, por exemplo, 16% em julho.

Nesta segunda, o Banco Central turco tentou tranquilizar os mercados anunciando que tomará todas as medidas necessárias para garantir a estabilidade financeira.

No entanto, até agora não tomou a decisão de aumentar seus índices para estimular a lira, o que responde ao “controle” do presidente Recep Tayyip Erdogan, hostil a qualquer endurecimento monetário, segundo Nora Neuteboom, do banco holandês ABN AMRO.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!