Semana Tem Foco na Crise na Turquia, Eleições, Debate, Serviços, IBC-Br e Balanços – Investing.com

A crise na Turquia, que fez o voltar para os 76 mil pontos na sexta-feira, espalhando-se para a Europa e para os países emergentes, juntamente com as expectativas diante das eleições, com mais um debate entre os candidatos à Presidência da República marcado para o dia 17 (RedeTV!/IstoÉ), e a divulgação de novas pesquisas eleitorais — que já podem sinalizar os efeitos do confronto na televisão sobre as intenções de voto — devem dar o tom ao mercado na semana. No Congresso, o ritmo é lento pois a maioria dos parlamentares já está se movimentando para tentar e reeleição ou trabalhar pelo seu candidato a governador ou a presidente.

A agenda econômica local destaca a divulgação, entre terça e quarta-feira, da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) e do Índice de Atividade do Banco Central (IBC-Br), ambos relativos a junho. Já nesta segunda-feira, o Boletim Focus traz as estimativas para as principais variáveis econômicas e, entre quarta e quinta-feira, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) apresenta o IGP-10 (Índice Geral de Preços – 10) relativo a agosto e o IPC-S (Índice de Precos ao Consumidor Semanal).

Ao longo da semana, segue ainda a temporada de balanços, que vai entrando em sua reta final, trazendo resultados do segundo trimestre de companhias como Eletrobrás, Light (SA:), Cemig (SA:), CPFL (SA:), JBS (SA:), Marfrig (SA:), Kroton (SA:) e Estácio (SA:), entre outras.

Tensões geopolíticas e comerciais agitam mercados de risco e pressionam emergentes

No cenário externo, analistas de bancos e consultorias destacam que as atenções seguirão voltadas principalmente para as tensões geopolíticas e comerciais, que têm produzido, entre outros efeitos, pressão sobre os ativos de risco e os mercados emergentes. Neste fim de semana, o presidente turco Recep Erdogan acusou o presidente americano Donald Trump de “tentar colocar a Turquia de joelhos por causa de um pastor”. Trump ameaçou dobrar as tarifas de importação de alumínio e aço do país para forçar a libertação de um pastor americano, Andrew Brunson, preso há dois anos sob acusação de incitar o terrorismo ao apoiar o Partido dos Trabalhadores do Curdistão.

A ameaça de Trump desestabiliza ainda mais a economia turca, que já enfrenta a forte desvalorização da lira que vai agravar ainda mais a inflação de 15% ao ano do país. O receio é com o impacto da crise nos bancos europeus, que têm mais de US$ 120 bilhões emprestados para a Turquia, que quase entrou para a União Europeia. O país é também um parceiro estratégico na região, ao servir de apoio para os conflitos na Síria e no Oriente Médio, e uma crise mais forte teria desdobramentos não só econômicos para a Europa e para os próprios americanos.

De olho na crise da Turquia e na tarifação do aço e alumínio pelos EUA

A semana passada, lembram os analistas do Banco Votoratim, foi marcada por uma piora expressiva da percepção de risco em relação aos mercados emergentes, especialmente Rússia e Turquia, mas também o Brasil. “A busca por segurança levou ao fortalecimento do contra as demais moedas e à queda dos juros das treasuries (papéis de 10 anos do Tesouro dos Estados Unidos)”, dizem os economistas do banco em relatório. Localmente, destacam, as eleições continuaram sendo o foco de atenção, ainda que sem mudanças significativas no quadro eleitoral, enquanto a agenda econômica trouxe dados de inflação e vendas no varejo, mostrando que o impacto da greve nos transportes, ainda que temporário, terá efeito negativo sobre os resultados neste ano.

Também a equipe do BB Investimentos ressalta o tombo expressivo no mercado de renda variável brasileiro, derivado principalmente de expectativa de contágio do agravamento da crise econômica na Turquia sobre ativos de países emergentes. O clima no país euro-asiático, lembram, que já vinha sensível devido à recente escalada inflacionária, azedou de vez por conta do anúncio da duplicação de tarifas sobre aço e alumínio por parte dos EUA e, com isso, o estresse passou a ser generalizado, com a lira turca recuando 15% ante o dólar na sessão.

Investidores operaram de forma defensiva ao longo da semana

“No Brasil, os reflexos do incremento ao risco foram significativos, e ainda contaram com a interpretação do primeiro debate presidencial, ocorrido na noite anterior, que foi considerado morno, sem o destaque contundente de nenhum candidato sobre outro capaz de fazer a balança pender para quaisquer definições”, analisam os economistas do BB (SA:). “Com isso, os investidores operaram na defensiva, observando o turbilhão vindo da Turquia, desfazendo posições no mercado de renda variável e imprimindo alta do dólar frente ao real, bem como prêmio adicional nos juros.”

A semana passada foi de grande tensão dos investidores nos mercados de risco não apenas no Brasil, mas em todo o mundo, diz o economista-chefe da corretora Modalmais, Álvaro Bandeira. “Seguem preocupando as relações comerciais entre países, com a implantação de tarifas de importação pelos EUA, notadamente as disputas entre EUA e China, mas já afetando países da Europa, como a importante Alemanha”, enfatiza Bandeira.

Ibovespa: torcida para não perder patamar de 76.000 pontos

No Brasil, diz o economista, o clima político se intensificou a partir do final de semana anterior, com as convenções partidárias e escolha de candidatos, mas assim como outros mercados, também foi contaminado pelos problemas na Turquia. O índice Bovespa, diz, foi “atropelado” pela preocupação com a Turquia. Para Bandeira, a torcida agora é para o mercado não perder o suporte de 76.000/75.400 pontos, que levaria a novas quedas, avalia, utilizando a análise técnica, que tenta prever os movimentos do mercado a partir dos gráficos do passado.

Aos poucos, acredita o economista, com o auxílio das pesquisas, os agentes do mercado vão conseguir formar o quadro do segundo turno da eleição no Brasil. E talvez, diante dos programas de governo dos dois candidatos mais prováveis, com a percepção de como serão feitas reformas, possam, a partir desse momento, formatar uma postura de investimentos mais agressiva ou não.

Oportunidades no estresse

“De nossa parte, seguimos afirmando que é nesses momentos de estresse que surgem as oportunidades de obtenção de ganhos extraordinários”, diz Bandeira. Destaca, porém, que “a aprovação de reformas profundas e a rapidez de votação e implantação vão determinar a percepção dos investidores locais e estrangeiros interessados em Brasil”.

Agenda destaca dados da indústria e varejo da China e dos EUA

Na agenda econômica internacional, analistas enfatizam a divulgação de indicadores da indústria e varejo na China e EUA e, ainda nos EUA, os dados do indicador de confiança pela Universidade de Michigan. Na Europa, serão conhecidos os números de inflação no Reino Unido e a revisão do PIB do segundo trimestre na zona do euro.

Na política, encerramento do registro das candidaturas e coligações

O encerramento do registro das candidaturas à presidência da República e coligações, o início da campanha eleitoral de rua e na internet e o segundo debate dos presidenciáveis, na RedeTV (17/8), estão no centro da agenda da semana.

Atenções voltadas para situação do PT; MST programa caminhada a Brasília

O registro das candidaturas encerra na quarta-feira, 15/8, e as atenções estão voltadas principalmente para o PT, podendo tornar o ambiente tenso. A sigla vai ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) registrar a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde abril em Curitiba, com a previsão de manifestações em favor da libertação do ex-presidente. O MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) deve organizar uma caminhada até Brasília para acompanhar o registro.

Campanha eleitoral começa na quinta-feira, dia 16

A quinta-feira, 16/8, marca o início da campanha eleitoral, segundo calendário divulgado pelo TSE, com os candidatos e partidos podendo participar de comícios, carreatas e fazer propaganda política na internet. No dia seguinte, 17/8, será realizado o segundo debate, que deve ter repercussão no final de semana. A expectativa se deve às repercussões nas redes sociais do debate da BAND, que reproduziram pronunciamentos polêmicos e perguntas entre os candidatos.

Reajuste do Supremo cria preocupação fiscal

Embora não tenha reflexo direto na disputa, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de incluir no Orçamento de 2019 a previsão de reajuste salarial de 16% para os ministros cria preocupação e ganha os holofotes, por conta do impacto sobre as contas públicas. O possível aumento desgasta ainda mais a imagem do Judiciário em razão de seus privilégios, destacando-se o auxílio-moradia pago a juízes. A estimativa é que o reajuste terá um impacto anual de R$ 4 bilhões.

Bradesco (SA:) vê ritmo gradual de recuperação na atividade doméstica

Para os economistas do Departamentos de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depec) do Bradesco, os dados do IBC-BR e da pesquisa de serviços, referentes a junho, devem “reforçar o ritmo gradual de recuperação da atividade doméstica observado no segundo trimestre, já apontado pela indústria e pelo varejo”. Já as informações sobre atividade da China e EUA, referentes a julho, “serão relevantes para identificar os efeitos da guerra comercial, principalmente na indústria desses países”.

Reta final dos balanços

Termina nesta semana o prazo para as empresas apresentarem seus balanços do segundo trimestre. Nesta segunda-feira, antes da abertura, devem divulgar seus dados a Oi (SA:), em recuperação judicial, São martinho, Metal Leve (SA:) e Direcional (SA:). Depois do fechamento, saem M. Dias Branco (SA:) e Eletrobras (SA:). Sem horário definido, Bradespar (SA:) divulga seus números.

Na terça-feira, antes da abertura, saem os dados de Ferbasa (SA:), Marfrig, Cesp (SA:), Estácio, Kroton, Qualicorp (SA:), CCR (SA:), Copel (SA:) e Banrisul (SA:). Depois do fechamento, Ânima divulga seu balanço.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!