Bitcoin volta aos US$ 6.000; criptomoedas tem maior queda de 2018 – Portal do Bitcoin

Às 22h de segunda-feira (13), o bitcoin voltou a romper os US$ 6.000 e ficou sendo negociado abaixo dessa faixa de preço até as 4h. Às 7:30, o BTC estava cotado a US$ 6.050.

Essa já é a quarta vez no ano em que o BTC é negociado abaixo dos US$ 6.000. Porém, nenhuma delas durou mais de um dia.

Dólar segura o preço no Brasil

No Brasil, de acordo com o IPB, a cotação do bitcoin está em R$ 24.506, com uma alta de +0,47% (R$ 114,15) no dia. O que está ajudando a segurar a cotação do BTC no Brasil é a alta do dólar, que voltou a ficar acima dos R$ 3,90.

Até o momento, o mês de agosto está com um acumulado de -15%. O segundo semestre também está em queda de -12%.

Gráfico do IPB

Onde a queda começou?

A especulação sobre uma aprovação da SEC (equivalente americana da CVM) de um ETF de Bitcoin fez com que seu preço chegasse a US$ 8.500 no final de julho.

Uma sequencia de negativas da agência reguladora acabou com a euforia, revertendo a tendência e iniciando um movimento contrário.

Em menos de um mês, a SEC adiou para setembro duas propostas de criação de fundos de índices comercializados como ações (ETFs) de Bitcoin.

A solicitação da exchange Cboe BZX havia sido feita no dia 20 de junho. Um dos motivos para rejeição, conforme do documento, foram os 1300 comentários que a proposta já recebeu.

No dia 24 final de julho, uma outra proposta de ETF de Bitcoin, da Direxion Investments, também havia sido adiada.

Dois dias depois, foi a vez da SEC se pronunciar sobre o ETF dos irmãos Winklevoss, fundadores da exchange Gemini, que acabou sendo foi rejeitada. Os gêmeos pleiteavam listar e negociar as ações baseadas em commodities da Winklevoss Bitcoin Trust. A SEC rejeitou a ideia por por 3 votos a 1.

Está previsto, porém, que a SEC decida sobre nove ETFs dentro dos próximos dois meses.

Maior queda de 2018

Pela primeira no ano, o valor de mercado das criptomoedas caiu abaixo dos US$ 200 bilhões. Enquanto todos os criptoativos derretem, o market share do bitcoin volta a subir, chegando a 54%, maior patamar desde dezembro de 2017, apesar de também estar em queda.

O aumento do marketsahre do BTC evidencia sua força diante das outras criptomoedas além de ser um sinal de que os investidores estão provavelmente tirando seu dinheiro de criptomoedas alternativas e indo para o criptoativo de maior relevância no mercado.

Dados do site Athcoinindex mostram a porcentagem de queda de cada criptomoeda desde seu topo histórico. Com exceção da Tether, que é uma moeda estável, todas estão com quedas superiores a 70% desde que atingiram seu maior preço.

A Ripple (XPR), por exemplo, caiu 93,08% desde o dia 4 de janeiro, quando foi cotada a US$ 3,84. O Ethereum (ETH) caiu 81,33% desde o dia 13 de janeiro, quando chegou a US$ 1.432 por unidade. O Bitcoin (BTC), por sua vez, está com uma queda de quase 70% desde 17 de dezembro, quando foi negociado acima dos US$ 20.000.

Fonte: Athcoinindex

Compre Bitcoin no Celular

A BitcoinTrade é a melhor plataforma para operar criptomoedas do Brasil.
Compre Bitcoin, Ethereum e Litecoin com segurança e liquidez, diretamente pelo app.
Baixe agora e aproveite, acesse: www.bitcointrade.com.br

O post Bitcoin volta aos US$ 6.000; criptomoedas tem maior queda de 2018 apareceu primeiro em Portal do Bitcoin.

Fonte Oficial: Portal do Bitcoin.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!