Plano de Bolsonaro contém “superministério” da Economia e BC independente – Exame

Com tom nacionalista e conteúdo liberal, plano de governo do candidato do PSL à Presidência também promete o fim do “toma lá, dá cá”

Por Ricardo Brito, da Reuters

access_time 14 ago 2018, 16h16

Brasília – Com forte tom nacionalista e conteúdo liberal, o plano de governo do candidato do PSL à Presidência, deputado Jair Bolsonaro, contempla a criação de um “superministério” da Economia, a adoção formal da independência do Banco Central e uma promessa de que vai acabar com o “toma lá, dá cá”.

O documento divulgado pela campanha do presidenciável nesta terça-feira, com 81 páginas, informa que a gestão da área econômica terá dois organismos principais, o Ministério da Economia e o BC, sendo que o último será “formal e politicamente independente, mas alinhado com o primeiro”.

“Para atender ao objetivo de enxugamento do Estado, mas, também, para garantir um comando uno e coeso para a área, o Ministério da Economia abarcará as funções hoje desempenhadas pelos Ministérios da Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio bem como a Secretaria Executiva do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos)”, diz o documento, ao acrescentar que “as instituições financeiras federais estarão subordinadas ao ministério”.

O plano afirma que vai se avançar institucionalmente com uma proposta de independência formal do BC que contemple uma diretoria com “mandatos fixos, metas de inflação e métricas claras de atuação”.

“Além disso, avançamos em maior flexibilidade cambial e mais ortodoxia fiscal. Inflação baixa e previsível será uma das prioridades inegociáveis em nosso governo”, ressalta.

Ataque ao déficit

O documento defende uma forte atuação para eliminar já no primeiro ano de governo o déficit primário e converter em superávit já no ano de 2020 —a previsão é de que em 2019 o rombo nas contas públicas seja de 139 bilhões de reais.

O texto diz que “todos os recursos obtidos com privatizações e concessões deverão ser obrigatoriamente utilizados para o pagamento da dívida pública”.

“Quebraremos o círculo vicioso do crescimento da dívida, substituindo-o pelo círculo virtuoso de menores déficits, dívida decrescente e juros mais baixos. Isso estimulará os investimentos, o crescimento e a consequente geração de empregos. Esse processo de redução de dívida será reforçado com a realização de ativos públicos”, diz o texto.

“Daremos especial atenção ao controle dos custos associados à folha de pagamento do governo federal. Os cortes de despesas e a redução das renúncias fiscais constituem peças fundamentais ao ajuste das contas públicas”, acrescenta o documento.

Com forte adjetivação, o plano de governo avalia que “corruptos e populistas” legaram ao país um déficit primário elevado, uma situação fiscal explosiva, com baixo crescimento e elevado desemprego.

Reforma da Previdência

Após citar uma série de números em que reconhece haver um grande déficit no sistema de pagamento de aposentadorias no país, o documento diz que uma gestão Bolsonaro pretende introduzir “paulatinamente” um novo modelo de capitalização para a Previdência brasileira. Para tanto, reformas serão necessárias para “aperfeiçoar o modelo atual como para introduzir um novo modelo”.

“A grande novidade será a introdução de um sistema com contas individuais de capitalização. Novos participantes terão a possibilidade de optar entre os sistemas novo e velho. E aqueles que optarem pela capitalização merecerão o benefício da redução dos encargos trabalhistas”, explica o texto.

O documento destaca que será necessário criar um fundo para reforçar o financiamento da Previdência e compensar a redução de contribuições do sistema atual.

Governo decente

Sem detalhar como será a relação com o Congresso mesmo diante do fato de Bolsonaro pertencer a um partido pequeno sem base de apoio, o plano diz que vai propor um “governo decente, diferente de tudo aquilo que nos jogou em uma crise ética, moral e fiscal”.

“Um governo sem toma lá dá cá, sem acordos espúrios. Um governo formado por pessoas que tenham compromisso com o Brasil e com os brasileiros. Que atenda aos anseios dos cidadãos e trabalhe pelo que realmente faz a diferença na vida de todos. Um governo que defenda e resgate o bem mais precioso de qualquer cidadão: a liberdade. Um governo que devolva o país aos seus verdadeiros donos: os brasileiros”, diz.

Com fortes críticas ao que considera doutrinação e ideologia que tomaram conta do país, o texto defende uma atuação mais liberal do Estado. O documento é intitulado “Brasil Acima de Tudo, Deus Acima de Todos” e prega uma atuação mais descentralizada do governo com o mote “Mais Brasil, Menos Brasília”.

O texto defende a reformulação do estatuto do desarmamento para garantir o direito do cidadão à “legítima defesa”, isto é, uma liberalização nas regras para concessão do porte de armas.

Quer também, entre outros pontos, investir fortemente nas polícias, acabar com a progressão de penas e as saídas temporárias, a redução da maioridade penal para 16 anos e a retirada de qualquer “relativização” da propriedade privada da Constituição.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!