Turquia promete política fiscal mais ajustada, mas descarta resgate do FMI – Exame

O governo turco promete flexibilizar o mercado de trabalho, fazer corte nos gastos públicos e aumentar os investimentos em grandes infraestruturas

Por EFE

access_time 16 ago 2018, 15h15

Istambul – O ministro de Finanças da Turquia, Berat Albayrak, anunciou nesta quinta-feira “políticas fiscais mais ajustadas”, com cortes de despesas e esforços para melhorar o superávit primário, mas negou que seja necessário que o Fundo Monetário Internacional (FMI) resgate o país.

“Aplicaremos uma política fiscal mais ajustada; as reformas estruturais são a nossa prioridade”, disse Albayrak em uma teleconferência com mais de 4 mil investidores internacionais, informou a emissora “CNNTürk”.

Albayrak, genro do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou que uma das prioridades será a “flexibilização do mercado de trabalho” e anunciou um “muito severo corte nos gastos públicos”.

O investimento em grandes infraestruturas foi um dos eixos da política econômica do governo turco desde que Erdogan e o seu partido, o islamita AKP, chegaram ao poder em 2002.

Tudo isso, afirmou, com o objetivo de fortalecer o superávit primário.

O ministro ressaltou que “não há plano de comparecer ao FMI”, uma saída que muitos especialistas consideram necessária para estabilizar a lira turca, que se desvalorizou em 30% neste ano.

“Nossa moeda não está exposta”, afirmou Albayrak, que acrescentou que as empresas turcas “podem fazer frente às suas dívidas a curto prazo” e negou que tenha havido recentemente uma grande retirada de fundos dos bancos.

O ministro destacou que “a maior prioridade” é reduzir a inflação – atualmente aos 15% anualizados – e prometeu “reconduzi-la o mais rápido possível a números de um dígito”.

“Na luta contra a inflação utilizaremos todas as táticas que o Banco Central precisar”, prometeu Albayrak.

Os especialistas consideram que a principal arma para estabilizar a moeda turca é uma drástica alta dos juros, e temem que o fato de o Banco Central turco não usá-la usado mostre sua falta de independência frente a Erdogan, que se pronunciou reiteradamente contra qualquer alta dos juros.

O ministro de Finanças reiterou que não está previsto, em hipótese alguma, exercer um controle de capitais.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!