África se reúne para enfrentar gargalos – Exame

Má situação econômica é justificada por diversos fatores internos, que prejudicam o desenvolvimento de acordos locais, entre os próprios países

Por EXAME Hoje

access_time 17 ago 2018, 07h45 – Publicado em 17 ago 2018, 06h50

A Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (região sul) vai se reunir nesta sexta-feira, para discutir a urgente e necessária situação econômica do continente.

Líderes da Angola, Botsuana, República Democrática do Congo, Lesoto, Malaui, Maurício, Moçambique, Namíbia, Seicheles, África do Sul, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbábue falarão sobre suas preocupações quanto à estagnação da região. A região africana espera crescer 2% este ano, 0,4% a mais do que em 2017. Além disso, as altas taxa de inflação não animam: 10,5% em 2016, e 9,4% em 2017. A causa da instabilidade econômica é, segundo os países, a queda no preço das commodities exportadas, como produtos agrícolas e minérios, nos últimos anos.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

A má situação econômica da região é justificada também por diversos fatores internos, que prejudicam o desenvolvimento de acordos locais, entre os próprios países. O alto nível burocrático das relações governamentais e uma má infraestrutura são alguns dos vilões apontados pelos próprios países, que tentaram, no ano passado, encontrar soluções para esses problemas.

Em março, 40 países africanos assinaram o acordo de Livre Comércio da África Continental. O acordo prevê a redução de 90% das tarifas comerciais. A ideia é que as trocas comerciais entre os países se fortaleçam, e que haja uma proteção maior da economia do continente. Segundo o jornal britânico Financial Times, o acordo e a nova reunião ocorrem em boa hora, uma vez que “é mais barato exportar remédios para Burkina Faso pela França do que pelo próprio país”.

Os números comprovam a afirmação. Segundo relatório do Banco Africano de Exportação e Importação (Afrexim), o comércio intercontinental mobilizou 170 bilhões de dólares em 2017, mas representou somente 15% de todas as trocas comerciais do continente. Se comparados com outros continentes, o a proporção é ainda mais chocante: 67% do comércio na União Europeia é interno, e 58% das trocas asiáticas são para a própria Ásia.

O acordo também prevê a discussão de questões como a desigualdade social, a pobreza e as altas taxas de desemprego da região.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!