Em seminário do CNJ, Rosa Weber critica baixa representação feminina na política – Isto É

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, disse, na manhã desta segunda-feira, 20, que “há uma verdadeira sub-representação feminina na política brasileira”. Empossada na semana passada para chefiar o TSE, Rosa criticou a baixa representação feminina nos espaços de poder, frente a maioria de mulheres no eleitorado.

Segundo a ministra, dos pedidos de registros de candidatura realizados para o pleito de 2018, apenas 30,7% são de mulheres.

“Esses dados (52,5% do eleitorado brasileiro é composto por mulheres) confrontados com o número de pedidos de registro de candidaturas evidenciam a desproporcionalidade entre o número de mulheres candidatas e o de mulheres aptas a votar”, destacou a ministra, que falou no seminário ‘Elas por Elas’, promovida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Na mesa de abertura, o evento reuniu seis mulheres à frente do sistema judiciário brasileiro: além de Rosa, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministra Laurita Vaz, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge; a advogada-geral da União, Grace Mendonça; e a procuradora-geral junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Cristina Machado.

Rosa ainda exaltou a importância do voto feminino para a construção de uma sociedade mais “igualitária, justa e inclusiva”. “Façamos, mulheres, ao exercer todas nós esse direito essencial da cidadania que é o voto, a diferença para um fortalecimento, para o estado democrático de direito, conquista diária e permanente de todos nós, com a consciência de que em nossas mãos, mulheres, está o destino do País, com a construção de sociedade que todas queremos, igualitária, justa e inclusiva”, disse a presidente do TSE.

Também sobre a atuação das mulheres no campo eleitoral, a presidente do STJ chamou atenção para a relação entre o recorde de mulheres disputando cargos de vice nestas eleições e a cota de financiamento feminino – 30% dos fundos Eleitoral e Partidário. “Seria coincidência ou uma demonstração de que a velha política tem se adaptado para a autopreservação?”, indagou Laurita.

No TSE, Rosa foi relatora da consulta onde se fixou o entendimento de que 30% dos recursos do bilionário Fundo Eleitoral devem ser destinados ao financiamento de campanhas de mulheres. A ministra assinalou que, mesmo em meio a tantas ações afirmativas, como a cota de financiamento, há muito o que se fazer.

A presidente do TSE ainda destacou o ‘fenômeno’ das candidaturas femininas chamadas “laranja”, de mulheres registradas que não receberam um único voto, “nem mesmo delas”, observou Rosa. Segundo a ministra, nas eleições de 2016, foram identificadas cerca de 14 mil candidatas mulheres nessa situação, contra 1.714 candidaturas masculinas com esse problema.

Como mostrou a Coluna do Estadão, do jornal O Estado de S. Paulo, em junho, o TSE deve julgar casos de “candidaturas femininas fictícias” registradas oficialmente apenas para partidos e coligações tentarem cumprir a cota de exigência legal de reservar 30% das vagas para mulheres.

Frente aos cenários de pouca representatividade refletidos durante o evento, as autoridades comemoraram o acontecimento inédito de cinco mulheres estarem à frente do sistema de Justiça no Brasil, Cármen, Rosa, Dodge, Laurita e Grace. “Estamos certas de que deixará de ser uma conjunção extraordinária para se tornar algo comum”, assinalou Dodge.

Violência

Em meio aos problemas de desigualdade de gênero listados em todo mundo, o Brasil foi lembrado pelas ocorrências do crime de feminicídio – quando uma mulher é morta por sua condição de gênero. “Com a cultura que o sustenta, é a barbárie cotidiana a exigir resposta de todos”, destacou a chefe da PGR.

Os avanços também foram destacados. “O silêncio começa a ser vencido”, destacou Cármen. “Entender ser mulher é necessário para mostrar o que queremos, uma sociedade livre, justa e solidária. Só a democracia garante não apenas a liberdade, mas a libertação de mulheres que continuam sem direitos de pensar, falar, de ter boas escolas para ter o direito de refletir”, disse a presidente da Suprema Corte.

A segunda parte do evento ainda contou com a presença de mulheres que ocupam cargos de grande relevância no Brasil.

Conversaram sobre suas experiências e trajetórias a presidente da Goldman Sachs, Maria Silvia Bastos; a presidente da Rede Magazine Luiza, Luiza Helena Trajano; a presidente da Rede Sarah de Hospitais, Lucia Braga; a primeira-secretária da Academia Brasileira de Letras, Ana Maria Machado; a sócia-fundadora da Betânia Tanure Associados, Betânia Tanure, e ainda a cantora Alcione.

O post Em seminário do CNJ, Rosa Weber critica baixa representação feminina na política apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!