A Berlinda de Trump. Nos Juros e na Política – Investing.com

A ata da última reunião do FOMC deve marcar dois pontos importantes sobre a política monetária dos EUA.

O primeiro é a indicação da continuidade das altas de juros, as quais devem ocorrer nas duas próximas reuniões em 26 de setembro e 8 de novembro, segundo nossas projeções.

O segundo ponto é o reforço do crescimento americano, sem alterações significativas das projeções de inflação de médio e longo prazo, o que suscita a alta de juros mais pela normalização da política monetária, do que como uma resposta a um estresse nos preços.

Neste segundo ponto, o presidente Trump já declarou insatisfação, conforme citamos aqui ontem. Ainda assim, a independência do Fed é um dos pontos centrais na condução da política monetária nos EUA.

Basta lembrarmos a insatisfação de Reagan com a escalada de juros promovida por Paul Volker nos anos 80, chegando em 20% no primeiro ano do mandato.

Ainda que existam dúvidas sobre os efeitos de tais altas na atividade econômica e no rumo dos índices inflacionários, dado o cenário inédito de ‘desrespeito’ à curva de Phillips, o Fed deve concluir seu processo e levar os juros reais americanos ao terreno positivo ainda este ano, o que pode incrementar ainda mais a demanda global por dólares.

Para Trump, a situação vai além do virtual embate com Jerome Powell.

Com seu ex-chefe de campanha, Paul Manafort preso e seu ex-advogado, Michael Cohen buscando um acordo com a justiça, a possibilidade de um presidente Pence começa a crescer.

Mais um ponto de volatilidade nos mercados globais.

CENÁRIO POLÍTICO
A hipersensibilidade do mercado às pesquisas eleitorais ignora alguns fatores relevantes neste momento.

De certa maneira, trazem pouca novidade relevante e fixam o cenário das pesquisas mais recentes.

Lula cresce, até pelo efeito de ‘notoriedade da marca’, ou seja, ele e Bolsonaro são os elementos mais conhecidos aqui, principalmente com o ex-presidente tendo feito descaradamente campanha antecipada, em nome de uma suposta ‘caravana’ pelo Brasil.

Ainda assim, o mercado parece superestimar a capacidade de transferência de votos para Haddad, o qual sequer ainda é conhecido, chamado por ‘Andrade’ por parte dos eleitores de Lula, dos quais tem antipatia de 39%.

A campanha só começou.

CENÁRIO DE MERCADO
A abertura na Europa é positiva e os futuros NY operam em queda, a prisão de ex-assessor e ex-advogado de Trump.

Na Ásia, o fechamento foi positivo na sua maioria, mesmo com a política.

O opera em queda contra a maioria das divisas, enquanto os Treasuries operam positivos em todos os vencimentos observados.

Entre as commodities metálicas, quedas, com destaque ao ferro.

O abre em alta em NY e em Londres, com queda no estoque americano e sanção ao Irã.

O índice de volatilidade abre em alta acima de 0,2%.

CÂMBIO
Dólar à vista : R$ 4,0491 / 1,96 %
Euro / Dólar : US$ 1,16 / 0,207%
Dólar / Yen : ¥ 110,45 / 0,127%
Libra / Dólar : US$ 1,29 / -0,085%
Dólar Fut. (1 m) : 4026,74 / 1,52 %

JUROS FUTUROS (DI)
DI – Julho 19: 7,75 % aa (-0,12%)
DI – Janeiro 20: 8,52 % aa (3,02%)
DI – Janeiro 21: 9,66 % aa (3,09%)
DI – Janeiro 25: 12,12 % aa (3,24%)

BOLSAS DE VALORES
FECHAMENTO
: -1,50% / 75.180 pontos
: 0,25% / 25.822 pontos
: 0,49% / 7.859 pontos

: 0,64% / 22.363 pontos
: 0,63% / 27.928 pontos
: -0,29% / 6.266 pontos

ABERTURA
: 0,215% / 12411,12 pontos
: 0,378% / 5429,05 pontos
FTSE: 0,496% / 7603,23 pontos

Ibov. Fut.: -0,19% / 75698,00 pontos
S&P Fut.: -0,119% / 2858,30 pontos
Nasdaq Fut.: 0,098% / 7404,75 pontos

COMMODITIES
Índice Bloomberg: 0,29% / 83,69 ptos

Petróleo WTI: 1,66% / $66,93
:1,61% / $73,80

: 0,08% / $1.196,89
: -0,44% / $67,65

: -0,75% / $16,43
: -0,63% / $357,50
: -0,66% / $97,30
: -0,88% / $10,08

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!