Eleições 2018: Larida 2018: as ideias irrealistas de Persio Arida e André Lara Resende – Exame

Mesmo com proposta inovadora do passado, economistas arriscam erroneamente ao participarem de campanhas de Alckmin e de Marina

Por Sérgio Praça

access_time 22 ago 2018, 13h43 – Publicado em 22 ago 2018, 10h27

Persio Arida e André Lara Resende fizeram história nos anos oitenta. Escreveram um texto acadêmico que mudou a perspectiva sobre a inflação brasileira. Intitulado de “Proposta Larida”, a ideia era colocar duas moedas em circulação: uma virtual, não acometida por inflação, e a moeda doente. Saulo Ramos, advogado de confiança do presidente José Sarney (PMDB), impediu que políticos topassem a ideia. Seria inconstitucional. Dez anos depois, Gustavo Franco contornou isso com juristas mais compreensivos para implementar o Plano Real. Hoje, Arida assessora Geraldo Alckmin (PSDB), Lara Resende trabalha com Marina Silva (Rede) e Franco está com o Partido Novo.

Os dois primeiros estão se metendo em uma enrascada. Em diversas entrevistas e eventos no início de abril, Alckmin dizia que proporia um plano para “dobrar a renda” do brasileiro. Disse, segundo o Valor Econômico, que sua candidatura teria “o projeto do Persio: quem ganha dois mil vai ganhar quatro mil”. E aí, Persio, é verdade? É coisa para 16 anos, disse o economista em entrevista ao InfoMoney, claramente sem graça por ser associado a um objetivo tão populista. De acordo com os economistas do blog “Por Quê?”, seria necessário crescer 9% acima do crescimento populacional para dobrar a renda do brasileiro em oito anos. Isso, é claro, considerando a condução econômica sem erros, crises nem parlamentares. Não é à toa que Alckmin nem tocou mais no assunto. A manchete fácil já foi garantida.

André Lara Resende é mais preocupante. Seu problema não é a hipocrisia barata (de Alckmin) nem a embaraçada (de Persio). Em entrevista à Reuters, afirmou que o Brasil precisa substituir o déficit fiscal por um superávit primário de cerca de 2% do PIB “no curtíssimo prazo”. Economistas do mercado financeiro estimam que isso custaria R$ 400 bilhões. Marina Silva teria que fechar universidades federais, privatizar todas as empresas estatais e aumentar impostos. A julgar pelo detalhado programa de governo que Marina protocolou no Tribunal Superior Eleitoral, tamanha austeridade não seria a vocação de seu mandato. Lara Resende também afirma que a candidata aprovaria reformas na tributação e na previdência rompendo com a lógica do presidencialismo de coalizão.

Talvez ele esteja pensando em dois sistemas políticos com funcionamento paralelo: um velho, doente, jeffersoniano, e outro afeito a programas de governo, que rejeitaria cargos de confiança na Funasa a serem usados para fins eleitorais. Saulo Ramos nem precisa ressuscitar para inviabilizar essa URV sonhática.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!