Divergência dos Principais BCs Deve Continuar Apesar de Comentários de Trump – Investing.com

  • O Fed claramente lidera o ritmo global de normalização de políticas apesar do “descontentamento” de Trump
  • BoE tem medo do colapso do Brexit, o que o força a pisar no freio
  • BCE em movimento neutro
  • Banco do Japão preso no fosso para reparos

O Federal Reserve dos Estados Unidos provavelmente continuará à frente dos principais bancos centrais mundiais no caminho para a normalização da política monetária em meio a expectativas de que o atual estado de divergência entre os BCs continuará. Mesmo as recentes críticas do presidente Donald Trump, que repetiu que ele com os planos do presidente do Fed, Jerome Powell, de continuar aumentando as taxas de juros, provavelmente ficarão sem serem ouvidas uma vez que as , comitê do banco central do país, indicaram ontem que os decisores de política monetária pretendem manter sua velocidade na remoção da política acomodatícia.

Fed na linha de frente

Com a economia americana crescendo 4,1% no , a caindo para 3,9% e a permanecendo perto da meta de 2% do Fed, Powell tem poucas razões para causar espanto quando ele falar na sexta-feira no . Com a probabilidade de um aumento de setembro já , os mercados aguardam, no entanto, as suas observações, antecipando quaisquer sugestões relativamente aos planos de longo prazo do Fed.

Embora a programação oficial do evento de Jackson Hole não seja divulgada até o final da quinta-feira, o Fed confirmou que a um discurso intitulado “Política Monetária em uma Economia em Mudança” às 11h00 de sexta-feira. Os futuros do Fed colocam a probabilidade de um aumento adicional em dezembro de mais de 60%, à medida que o banco central norte-americano continua com seus planos de remoção gradual da política acomodatícia

BoE avança, mas com cautela

O Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) também está em um plano de aperto gradual, tendo aumentado as taxas para 0,75% em sua última reunião no início de agosto devido ao forte mercado de trabalho e ao crescimento do crédito. Mas o BoE permanece cauteloso, uma vez que a incerteza em torno das negociações do Brexit obscurece as perspectivas com pouco progresso antes do prazo final de março para o Reino Unido. “As perspectivas econômicas podem ser influenciadas significativamente pela resposta das famílias, das empresas e dos mercados financeiros aos acontecimentos relacionados ao processo de saída da União Europeia”, disse o BoE em sua última declaração.

O presidente do BoE, Mark Carney, afirmou que as previsões do banco se basearam no pressuposto de uma “transição relativamente suave” à medida que o Reino Unido saia da União Europeia, deixando o pé do BoE no freio em caso de precipitação do Brexit.

BCE permanece neutro

O Banco Central Europeu também está avançando com o aperto da política monetária, embora em um ritmo muito mais lento. A autoridade monetária da zona do euro já indicou planos para encerrar seu programa de compra de títulos em dezembro, mas uma economia mais fraca e tendências inflacionárias inexpressivas também convenceram o BCE a não mexer nos juros até “pelo menos até o verão de 2019”.

Banco do Japão com problemas

O Banco do Japão, por sua vez, parece estar muito aquém do processo geral de aperto, uma vez que votou pela última vez para manter sua política monetária ultrafrouxa, enquanto reduz sua perspectiva de inflação.

O Fed está claramente à frente de outros grandes esforços do banco central para retornar à normalização da política monetária. Comentários de Trump à parte, os dados econômicos americanos ainda sustentam a trajetória de aumentos graduais dos juros.

Embora as negociações comerciais continuem a fornecer incerteza econômica para os EUA, o Fed certamente continuará liderando o bloco até o final do ano, à medida que suas contrapartes globais ficarem para trás. O Fed provavelmente alcançará a normalização das políticas bem à frente de seus pares, com os pés do BoE pairando sobre os freios, a desaceleração do BCE em ponto morto e o Banco do Japão estacionado.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!