Na Bahia, partido de Bolsonaro faz coligação com cantor crítico a militares – Isto É

Militares candidatos a deputado estadual e deputado federal pelo PSL da Bahia enviaram reclamação formal à presidente estadual da legenda, Dayane Pimentel, por causa da coligação feita com o PHS, partido que tem como principal puxador de votos o cantor de pagode Igor Kannário, defensor da legalização das drogas e crítico da Polícia Militar.

Eleito vereador de Salvador em 2016 com mais de 11 mil votos e candidato a deputado estadual nas eleições 2018, Kannário já foi preso diversas vezes por porte de maconha e é conhecido por ataques públicos à PM baiana, a quem ele acusa de persegui-lo e de supostamente agredir seu público em shows musicais e no carnaval da capital baiana.

“Isso é abuso de autoridade, é falta de respeito com a população. Eles não podem agredir a população”, disse Kannário, de cima de um trio elétrico, durante sua passagem pelo circuito oficial da folia em 2018, no entrevero mais recente dele com a PM baiana.

Apesar do conflito ideológico, o PSL coligou-se com o PHS nas eleições proporcionais baianas visando aproveitar o potencial de votos do cantor – o que gerou insatisfação de um grupo de militares candidatos ao Legislativo que, por admiração ao presidenciável Jair Bolsonaro, entraram para a sigla recentemente.

Muitos deles são ligados também a igrejas evangélicas, e temem que seus votos ajudem a eleger Kannário ou ter imagem associada ao artista.

O capitão da PM Alden José (PSL), que disputará uma vaga na Assembleia Legislativa da Bahia em outubro, relata que um dos motivos para a aliança foi a necessidade do partido de cumprir a regra que estabelece cota mínima de 30% para candidaturas femininas.

Sozinho, o PSL não alcançaria a marca, que acabou sendo cumprida com a coligação firmada com PHS, PPS e PRTB. “Infelizmente, por causa dessas regras, essa coligação aconteceu. Mas não agradou a ninguém”, disse o militar à reportagem.

Cuidadoso ao comentar o assunto, o capitão admitiu que os votos do cantor Igor Kannário podem ajudar a formar um quociente eleitoral elevado e, consequentemente, eleger militares. Ainda assim, diz ele, um comunicado dos ‘revoltosos’ foi enviado à presidente do PSL, cobrando posição contrária da legenda à coligação.

Defensora de Bolsonaro nas redes sociais e candidata a deputada federal, a professora Dayane Pimentel assumiu o partido em fevereiro deste ano, após a confirmação da candidatura do capitão da reserva à Presidência da República pela sigla.

Até então, o PSL fazia parte do grupo de sustentação do governador da Bahia, Rui Costa (PT), e tinha entre seus quadros parlamentares como o ex-presidente da Assembleia Legislativa Marcelo Nilo (hoje no PSB) e o vereador licenciado José Trindade (hoje no Podemos), entre outros. Todos deixaram o partido após a entrada de Bolsonaro e a guinada da sigla à direita.

Contatada pela reportagem, Dayane Pimentel não atendeu as ligações nem respondeu as mensagens. Ela declarou recentemente, contudo, que “essa será a primeira vez que Kannário ajudará a eleger homens de bem”. A afirmação foi reproduzida nas redes sociais dela.

Procurado, o vereador Igor Kannário informou que não irá comentar o assunto.

O post Na Bahia, partido de Bolsonaro faz coligação com cantor crítico a militares apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!