“Os jovens são propensos a cair nas armadilhas financeiras”, diz Thaler – Exame

Entrevista com o vencedor do Prêmio Nobel de Economia em 2017 aponta como os jovens têm dificuldade para resistir à tentação de gastar no momento presente

Por Estadão Conteúdo

access_time 27 ago 2018, 15h25

As pessoas não são totalmente racionais e nem sempre tomam a decisão que faz mais sentido – longe disso. Mas, apesar da tese parecer óbvia, a economia clássica sempre tratou os seres humanos como 100% racionais. Isso começou a mudar com os estudos de economia comportamental, que tem entre os seus “pais” o economista Richard Thaler, vencedor do Prêmio Nobel de Economia em 2017.

Apesar dos momentos de irracionalidade, Thaler aponta que, felizmente, há maneiras de fazer com que as pessoas fiquem inclinadas a tomar uma decisão mais lógica. Isso acontece por meio de um nudge (empurrãozinho/cutucão): quando essas opções são oferecidas de forma a tornar a pessoa mais propensa a escolher o que mais a beneficia.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, ele falou sobre a relação dos jovens com o dinheiro. Entre as estratégias para tomar decisões melhores estão automatização de processos, orçamento planejado e sobretudo, dar valor à educação.

A seguir, os principais trechos da entrevista:

Quais são as ciladas mais comuns que os jovens costumam enfrentar nas finanças pessoais?

Jovens são propensos a cair em todas as armadilhas, já que a maioria é inexperiente e tem pouco treinamento formal. Eles têm tendência a serem impacientes, então podem ter dificuldades para resistir à tentação de gastar no momento presente. Para alguém de 20 anos, ter 40 anos é inimaginável; então, é difícil pensar em metas de longo prazo. O primeiro passo é aprender como viver com um orçamento. Pais podem ajudar ao dar uma pequena mesada para as crianças – aos oito anos, digamos – para elas se acostumarem a economizar.

O que os jovens podem fazer para dar “empurrões” que os façam economizar?

A melhor estratégia é tornar as coisas automáticas. Assim que alguém conseguir um emprego com alguma renda, essa pessoa deve abrir uma conta poupança para a qual o dinheiro é transferido. Esse é um bom caminho em direção à economia para aposentadoria.

O que o sr. acha que os jovens estão fazendo de errado?

O maior erro é sair da escola cedo demais. A educação é a melhor rota para o bem-estar financeiro. E nunca é tarde demais para remediar escolhas ruins. Mas, antes de escolher, pergunte-se que tipo de empregos os formados na área conseguem – e pense se você gostaria de ter esse emprego. A vida já é dura o suficiente. Tente conseguir um trabalho de que você goste e que te dê algum orgulho.

Há casos em que o mercado, via propaganda e afins, dá empurrões que fazem as pessoas tomarem decisões das quais provavelmente se arrependerão?

Sim. Sempre peço às pessoas para darem “empurrões para o bem”, mas empresas também podem dar empurrões por lucro. Chamo isso de sludge. Parte do papel dos governos deveria ser regular isso.

Quais são as melhores formas de se proteger?

É preciso aprender a ler pelo menos um pouco das letras miúdas. Faça perguntas como: o que acontece se eu quiser mudar de ideia? Posso cancelar a assinatura pela internet?

Existem bons empurrões que os governos podem dar?

Bom, posso dizer algo que infelizmente não funcionou muito bem, que é educação financeira. Ensinar juros compostos no ensino médio é louvável, mas não muito eficiente. O melhor treinamento é “na hora”: antes de comprar o primeiro carro, por exemplo, uma lição sobre financiamento versus leasing seria útil.

A educação financeira é ensinada da forma errada ou os assuntos errados são ensinados?

O problema com cursos de educação financeira é que eles vêm antes de os alunos enfrentarem decisões complicadas, como comprar uma casa ou carro ou fazer um cartão de crédito. Os cursos não são ruins, o mundo é que é difícil e nós não nos lembramos muito do que aprendemos no ensino médio. O que você ainda lembra de trigonometria? As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!