Exterior Anima, Mas Risco Eleitoral Continua – Investing.com

O cenário externo pode continuar dando a contribuição para mais um dia de menor pressão sobre os ativos brasileiros, após o acordo comercial entre Estados Unidos e México alimentar esperanças de uma solução com a China, mantendo o apetite por risco lá fora. Mas a incerteza no cenário eleitoral tende a continuar trazendo volatilidade ao mercado financeiro local.

Sem a previsão de divulgação de pesquisa sobre a corrida presidencial, por ora, o foco se volta para a entrevista de Jair Bolsonaro no Jornal Nacional, à noite. Além disso, os investidores também devem ficar atentos aos próximos julgamentos na Suprema Corte (STF). Hoje, a Primeira Turma deve decidir se o candidato do PSL pode virar réu mais uma vez, sob acusação de racismo.

Já na semana que vem, o Supremo deve voltar a discutir a liberdade do ex-presidente Lula. O relator da Lava Jato na Corte, o juiz Edson Fachin, liberou para o plenário o julgamento do recurso ao habeas corpus negado em abril, antes de o líder petista ser preso. A previsão é de que o tema entre em pauta até o dia 13 de setembro.

Esse noticiário político-jurídico deve redobrar a cautela nos negócios por aqui, reduzindo o ímpeto do mercado doméstico de seguir o ambiente externo. Por lá, os investidores seguem animados com o anúncio feito ontem por Donald Trump, de que EUA e México revisaram partes importantes do Nafta e chegaram a um “grande” acordo comercial.

Porém, o chefe da Casa Branca disse que não é o momento certo para retomar as negociações comerciais com a China, reduzindo as expectativas quanto ao fim de um impasse com Pequim. Com isso, os índices futuros das bolsas de Nova York amanheceram na linha d’água, um dia após o encerrar um longo período de correção, que durou seis meses.

Já as principais bolsas europeias estão em alta, pegando carona com os ganhos da véspera em Wall Street, o que também embalou o pregão na Ásia – exceto em Xangai, que fechou em leve baixa. O yuan chinês (renminbi) voltou a fechar mais forte em relação ao , após o Banco Central local (PBoC) fixar a maior taxa diária de referência em 14 meses.

Nas demais moedas, o peso mexicano devolve parte dos ganhos de ontem, na esteira do acordo firmado entre Trump e o presidente Enrique Pieña Neto. Agora, as atenções se voltam para o Canadá, que, por enquanto, ficou de fora do “grande acordo”. A também recua, diante da ausência de solução desde as sanções impostas pelos EUA contra Ancara.

Com isso, o otimismo em torno do acordo EUA-México pode estar apenas ofuscando os problemas que a Casa Branca vêm enfrentando, seja em relação às tensões geopolíticas, à guerra comercial ou mesmo aos dramas legais envolvendo Trump, em meio à proximidade das eleições legislativas (mid term elections) no país. Por isso, os ganhos dos ativos de risco continuam frágeis e a melhora de ontem pode não ter passado de um repique.

Por aqui, o radar segue no início da propaganda eleitoral dos presidenciáveis em cadeia nacional de rádio e televisão, no dia 1º de setembro. A expectativa do mercado é de que a campanha tenha reflexos nas próximas pesquisas e a principal aposta é de que o candidato preferido entre os investidores, Geraldo Alckmin, ganhe a preferência também do eleitorado.

Afinal, o tempo de exposição do tucano durante o horário político será de mais de cinco minutos, após o acordo firmado entre o PSDB e o Centrão. Trata-se da maior fatia em relação aos adversários e Alckmin pretende usar essa vantagem para mirar “inconsistências” de Bolsonaro, desidratando o líder nas pesquisas, no cenário sem Lula.

Os mais recentes levantamentos trouxeram o ex-governador de São Paulo com menos de dois dígitos entre as intenções de voto, ao mesmo tempo em que cresceu o temor de o PT disputar o segundo turno do pleito contra o PSL. A não subida do tucano e a chance de um segundo turno entre “extremos” içaram o dólar para R$ 4, aumentando o prêmio de risco do Brasil.

Com o segundo maior tempo na TV, mas equivalente à menos da metade do de Alckmin, está o PT. Aliás, a defesa de Lula tem até quinta-feira para se pronunciar sobre os pedidos de impugnação da candidatura dele à Presidência da República. No dia seguinte, quando começa o horário político, pode ter início o julgamento em relação ao registro do ex-presidente.

Porém, a tendência é de que o caso só seja avaliado na próxima semana. Até uma decisão final sobre a inelegibilidade de Lula e a permanência dele na campanha, o mercado local deve ficar mais volátil. Ao mesmo tempo, Bolsonaro vai conquistando a simpatia dos investidores, com o seu provável ministro da Economia, Paulo Guedes, dando suporte às ideias liberais.

Com isso, o noticiário sobre as eleições de outubro tende a seguir no radar dos investidores. Ainda mais diante de uma agenda econômica fraca, que só ganha força a partir de amanhã. Hoje, o calendário do dia traz apenas a confiança da indústria brasileira (8h) e do norte-americano (11h), ambos referentes ao mês de agosto.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!