Tesouro: lucro recorde do BC pode ajudar regra de ouro em 2018

A equipe econômica pode usar parte do resultado positivo do Banco Central (BC) no primeiro semestre para cumprir a regra de ouro ainda neste ano. No fim de julho, os ministérios do Planejamento e da Fazenda tinham informado que os lucros da autoridade monetária só seriam usados para esse fim no próximo ano.

Segundo o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, equipe econômica pode consumir até R$ 19,5 bilhões dos R$ 165,9 bilhões  que  o  BC  transferirá  ao  Tesouro  nos  próximos 10  dias  úteis – Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Ao explicar o resultado das contas do Governo Central em julho, o secretário informou que a equipe econômica poderá consumir até R$ 19,5 bilhões dos R$ 165,9 bilhões que o BC transferirá ao Tesouro nos próximos 10 dias úteis, caso o governo não consiga desbloquear recursos de dois fundos e mudar a contabilização de royalties de petróleo, atualmente em discussão no Tribunal de Contas da União (TCU).

Instituída pelo Artigo 167 da Constituição de 1988, a regra de ouro determina que o governo não pode endividar-se para financiar gastos correntes (como a manutenção da máquina pública), apenas para despesas de capital (como investimento e amortização da dívida pública) ou para refinanciar a dívida pública. Nos últimos anos, os sucessivos déficits fiscais têm posto em risco o cumprimento da norma, o que tem levado o Tesouro a buscar fontes de recursos para ter dinheiro em caixa e reduzir a necessidade de emissão de títulos públicos.

Reajuste para o STF

O secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, estimou que o reajuste de 16,38% para os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) terá efeito cascata de R$ 1,4 bilhão apenas na União. Isso porque o aumento eleva o teto salarial do funcionalismo público, reduzindo a quantia que pode ser abatida dos supersalários que estouram esse limite. O impacto estará incorporado ao Orçamento Geral da União de 2019, que será enviado ao Congresso Nacional nesta sexta-feira (31).

Quanto ao reajuste a servidores do Judiciário, do Ministério Público e da Defensoria Pública do Rio de Janeiro, Almeida declarou que o estado poderá ser excluído do programa de recuperação fiscal. Ele, no entanto, disse que o processo não é automático porque envolve a emissão de um relatório e que uma eventual exclusão precisa ser decidida pelo presidente da República.

Segundo o secretário do Tesouro, um conselho de supervisão formado por um representante do TCU, um do governo fluminense e um do Ministério da Fazenda pedirá esclarecimento às autoridades do Rio e encaminhará um relatório com um alerta ao ministro da Fazenda, Eduardo Guardia. Caberá a ele recomendar ao presidente Michel Temer que exclua o Rio do regime especial de recuperação, que fez o estado deixar de pagar R$ 18 bilhões à União desde que aderiu ao programa. Todo o processo, explicou, pode durar até dois meses.

O secretário do Tesouro, no entanto, disse que a dinâmica pode ser diferente, dependendo do STF. Ontem (29), o governo fluminense entrou com ação judicial no Supremo contra o reajuste aprovado pela Assembleia Legislativa do Rio.

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!