AGU fez mutirão para derrubar ações contra venda de distribuidoras

O leilão de privatização de três distribuidoras de energia, subsidiárias da Eletrobras na tarde de hoje (30) confirmou a estratégia do governo, que montou uma força-tarefa, por meio da Advocacia-Geral da União (AGU), para monitorar qualquer decisão judicial que viesse a impedir a venda.

Montada para atuar nas últimas 24h que antecederam o certame, a força-tarefa contou com 36 advogados da União e procuradores federais para monitorar o processo. De acordo com a AGU, eles atuaram em quatro processos para impedir que o leilão fosse suspenso por liminar.

Todas as ações foram propostas na Justiça Federal de Roraima, onde está localizada uma das distribuidoras leiloada. Nas ações, a força-tarefa argumentou que a realização do leilão era necessária para a continuidade dos serviços de distribuição de energia elétrica nas regiões atendidas pelas distribuidoras.

“Em todas elas, a equipe da AGU estava de prontidão para demonstrar à Justiça, entre outros pontos, que a operação de venda das empresas está devidamente autorizada pela legislação”, informou o órgão.

Leilão

Na tarde de hoje, o governo conseguiu leiloar na Bolsa de Valores, B3 paulista, as distribuidoras: Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre), Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron), Boa Vista Energia, distribuidora de energia em Roraima.

Apontadas como as mais interessantes para compra, a Eletroacre e a Ceron foram arrematadas pela Energisa. A empresa ofereceu a melhor oferta pela Eletroacre. A proposta vencedora previu um índice combinado de flexibilização tarifária e outorga de 31, índice que indica o abatimento no reajuste tarifário previsto paara a distribuidora, após a privatização.

A proposta que arrematou a Ceron previu um índice combinado de flexibilização tarifária e outorga de 21. Já a Boa Vista Energia foi arrematada pela Oliveira Energia, única interessada na distribuidora. A proposta previu um índice combinado de flexibilização tarifária e outorga de 0.

Para o dia 26 de setembro está previsto o leilão da empresa Amazonas Distribuidora de Energia (Amazonas Energia).

Já o leilão da Companhia Energética de Alagoas (Ceal) continua suspenso devido a uma decisão judicial. Uma decisão judicial do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), impediu a venda da companhia, após ação movida pelo governo de Alagoas.

A Cepisa, distribuidora de energia no Piauí, foi a primeira distribuidora a ser vendida no dia 26 de julho. Ela foi arrematada pela Equatorial Energia.

Edição: Sabrina Craide

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!