Crise argentina se agrava, juro vai a 60%, e BC brasileiro age – Exame

Na quinta-feira, quando a moeda argentina registrou nova mínima histórica, BC do país elevou em 15 pontos porcentuais a taxa de juros

Por Estadão Conteúdo

access_time 31 ago 2018, 07h29

– A escalada global do dólar, acompanhada de erros na condução da política econômica, começa a colocar em risco o crescimento econômico do governo argentino de Mauricio Macri, presidente que chegou ao poder no fim de 2015 aclamado pelo mercado financeiro. Na quinta-feira, 30, quando a moeda argentina registrou nova mínima histórica, o Banco Central do país elevou em 15 pontos porcentuais a taxa de juros – que já era a mais alta do mundo -, para 60%. No Brasil, o BC também precisou agir, colocando US$ 1,5 bilhão no mercado.

Na Argentina, o BC ofereceu US$ 500 milhões, fazendo com que o dólar recuasse um pouco. A moeda americana encerrou o dia cotada a 38,20 pesos, com alta de 11%. Desde abril, na tentativa de conter o dólar, a autoridade monetária elevou a taxa básica de juros em 32,5 pontos porcentuais. A Casa Rosada também agiu nos últimos meses: pediu socorro ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e trocou parte de sua equipe econômica. As medidas, porém, não foram capazes de gerar confiança em um país onde grande parte da população tem o costume de desconfiar da moeda local e recorrer ao dólar para poupar.

Com o juros a 60%, a tendência é que famílias e empresas relutem a tomar empréstimos, travando a economia argentina. O economista Alejo Costa, do BTG Pactual na Argentina, já fala de retração de 2% no PIB neste ano e inflação de 45%. Para 2019, último ano de Macri na Casa Rosada, sua projeção é de 0% para o PIB.

“O período Macri vai acabar estancado (na comparação com o início do governo)”, diz Martín Redrado, presidente do Banco Central da Argentina entre 2004 e 2010. Para ele, Macri errou ao achar que poderia controlar as expectativas de inflação com a taxa de juros, já que o país tem um pequeno mercado creditício.

Na avaliação do economista Alberto Ramos, do Goldman Sachs, o problema foi a tentativa de reduzir o déficit fiscal de modo gradual, o que fez com que o país continuasse dependendo de financiamento internacional. “Essa estratégia se esgotou e hoje as saídas para o problema são menores”, diz. Segundo Ramos, agora é preciso fazer um ajuste fiscal rápido, zerando o déficit em 2019 – a meta era que ele ficasse em 1,3% do PIB no próximo ano.

Secretário de Finanças da Argentina entre 2002 e 2005, o economista Guillermo Nielsen aponta como erro o afrouxamento da meta da inflação anunciado em dezembro de 2017, quando o alvo passou de 10% para 15%, em um indicativo de que segurar preços já não era prioridade do governo. Também houve falhas na comunicação, diz. Na quarta-feira, 29, por exemplo, Macri anunciou que havia pedido uma antecipação do empréstimo do FMI, mas não deu detalhes.

Brasil

A recessão na Argentina deve prejudicar a indústria brasileira, sobretudo a automotiva. A consultoria Abeceb projeta que a demanda por carros no país vizinho caia 5% neste ano. Hoje, 60% dos veículos vendidos na Argentina são fabricados no Brasil. Há ainda o risco de um efeito dominó na taxa de câmbio dos emergentes. “Vai contagiar principalmente os países com déficit fiscal e de conta corrente”, diz Redrado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!