“Não existe estatal estratégica”, diz coordenador econômico do PSDB – Exame

São Paulo – As estatais não são instrumento para a criação de uma política pública, afirma Pérsio Arida, coordenador do programa econômico do candidato a presidência Geraldo Alckmin.

De acordo com Arida, o Estado brasileiro é gigantesco e funciona mal. “Precisa diminuir de tamanho e ser mais eficiência”, diz. Para ele, “não existe estatal estratégica. Esse argumento é de esquerda”. Ele falou sobre as propostas de Alckmin para a economia e a educação no EXAME Fórum que acontece hoje, 3, em São Paulo.

Um dos pontos do programa de governo do candidato pelo PSDB é a privatização de empresas estatais para “liberar recursos para fins socialmente mais úteis e aumentar a eficiência da economia”. Para ele, as prioridades da política pública precisam ser determinadas pelo orçamento, sem a necessidade de passar por empresas estatais.

O Banco Central e a Petrobras estão fora do programa de privatização, já a Eletrobras faz parte do plano. O restante do programa deve ser detalhado se Alckmin for eleito presidente, diz Arida. Ainda assim, o economista afirmou que um futuro governo do PSDB deverá trazer mudanças para o Banco Central e a Petrobras.

Ele afirma que a Petrobras precisa deixar o monopólio do refino de petróleo e na sua distribuição, com direito de passagem em gasodutos, por exemplo. Ainda que o monopólio tenha terminado na teoria, falta competição nesses segmentos para que o preço final ao consumidor seja mais justo.

No Banco Central, o economista defende os mandatos fixos e alternados, mecanismo para aumentar a independência da instituição e impedir que o presidente altere completamente a diretoria do banco.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!