Próxima safra em jogo: Tribunal deve decidir hoje sobre glifosato – Exame

Justiça deve dar uma resposta sobre a suspensão do herbicida mais utilizado no mundo nesta segunda-feira

Por Redação EXAME

access_time 3 set 2018, 06h52 – Publicado em 3 set 2018, 05h46

A Justiça deve dar uma resposta sobre a suspensão do glifosato, herbicida mais utilizado no mundo, nesta segunda-feira (3). Na semana passada, durante uma das maiores feiras agropecuárias do país, a Expointer, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirmou que o Tribunal Federal da 1ª Região (TRF-1) tomará uma decisão sobre a liminar que proibiu o produto até hoje.

No evento, realizado em Esteio (RS), Maggi relatou ter se reunido pessoalmente com o presidente da corte, Carlos Eduardo Moreira Alves, para apresentar os impactos econômicos que a proibição do produto trará para o agronegócio.

Segundo Maggi, é impraticável retirar o produto do mercado sem antes estabelecer um cronograma de desaceleração do uso e introdução de uma nova molécula. “Se não for liberado, não tem plantio, então nós quebramos. Vamos ter que voltar a fazer agricultura como no passado, com grade, arado e niveladora. Ninguém possui mais isso nas fazendas”, disse ele no evento.

O problema é a falta de substitutos viáveis em tão pouco tempo. A indústria de agroquímicos diz que não conseguirá oferecer substitutos ao glifosato suficientes para o plantio da próxima safra de grãos no país, que começa a partir deste mês para culturas como a soja e o milho.

“Não vejo como o produtor brasileiro poderá plantar a próxima safra sem o uso do glifosato”, afirmou Valdemar Luis Fischer, diretor para a América Latina da multinacional suíça Syngenta, em entrevista a EXAME.

No início de agosto, a justiça federal do Distrito Federal determinou, por meio de uma liminar, a suspensão, a partir do dia 3 de setembro, dos registros de produtos que contêm o glifosato, a abamectina e o tiram, usados em agroquímicos. A ação foi movida pelo Ministério Público. A decisão foi tomada poucos dias antes de a Justiça nos Estados Unidos ordenar que a Monsanto pague uma indenização de 289 milhões de dólares em um processo aberto por um homem que alega que desenvolveu câncer por causa do agrotóxico.

Maggi chegou a anunciar em suas redes sociais que a liminar havia sido derrubada pela Justiça, na semana passada,. Teve que pedir desculpas no dia seguinte, dizendo que havia se equivocado e que a suspensão estava mantida. Ele espera poder repetir a notícia, desta vez para valer, nesta segunda-feira.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!