Veja Qual Foi Melhor Carteira Recomendada em Agosto – Investing.com

O mês de agosto foi marcado pelo aumento da volatilidade interna com a indefinições em relação à eleição presidencial de outubro, o que amplificou um movimento internacional de aversão a risco provocado pela guerra comercial promovida pelos EUA e pelas crises turca e argentina.

O recuou em agosto pela terceira vez nos últimos quatro meses ao encerrar a sexta-feira aos 76.098 pontos. No mês, o índice cedeu 3,2% e variou entre 75.875 pontos e 81.792 pontos.

Os investidores deixaram para trás o medo de uma recessão no segundo trimestre após uma sequência de dados da economia mostrarem a recuperação após a greve do setor de cargas em maio, mas o crescimento anual está comprometido mais uma vez. A economia brasileira ainda não mostrou fôlego para a recuperação e as projeções para o PIB em 2018 seguem sendo cortadas para a casa de 1%.

Na bolsa, o principal driver da volatilidade segue sendo a política com os investidores sendo cautelosos enquanto observam a indefinição dos cenários de primeiro e segundo turno. Líder nas pesquisas, Jair Bolsonaro o apoio de cerca de 20% da população, mas há o receio que a campanha de ataques já iniciada pelo PSDB possa desidratar o candidato. Geraldo Alckmin segue patinando na casa dos 6-8%, enquanto Marina e Ciro ficaram estáveis na casa dos 10%.

Após a decisão de que , os investidores olham com atenção a capacidade do petista transferir os votos para Haddad. Por defender uma política econômica contrária a do mercado, uma possível ascensão do ex-prefeito de São Paulo deverá provocar mau humor e derrubar as bolsas.

O cenário externo ficou mais azedo para os emergentes com a pressão dos EUA com a em importações chinesas, que poderá reduzir o ritmo de crescimento do gigante asiático, maior comprador de commodities brasileiras. Em outra frente, o presidente Donald Trump sobre aço e alumínio da Turquia, em uma queda de braço diplomática, que desencadeou uma crise cambial e ressaltou os erros da condução da política econômica turca.

Neste ambiente de maior risco, os investidores se refugiaram no e se desfizeram de parte dos seus ativos em emergentes, provocando uma fuga de capitais na Argentina. O peso despencou, o BC para 60% ao ano e aumentou o alerta dos mercados para uma contaminação que poderá abalar outros emergentes.

No Brasil, o dólar disparou até alcançar superar os R$ 4,20 no intraday de quinta-feira (30/8), provocando o retorno do BC ao mercado. A intervenção surtiu efeito e derrubou o câmbio para os R$ 4,05 no fechamento do mês. O resultado de agosto, porém, foi de alta de mais de 7% na maior valorização mensal do dólar desde 2015.

Socopa garante retorno ao investidor com a melhor carteira de agosto

Neste cenário tenso, as carteiras recomendadas para agosto acabaram sofrendo com a forte desvalorização de ativos e tiveram dificuldade para entregar lucro ao investidor. Das 26 carteiras das principais corretoras, bancos e casas de análise acompanhadas pelo Investing.com Brasil, apenas duas terminaram o mês no positivo.

A melhor recomendação do mês veio da Socopa, que superou as adversidades de agosto e retornou 1% ao investidor, resultado 4,2 p.p. acima do recuo de 3,2% do Ibovespa no mês. O resultado da corretora foi garantido pelo avanço de quase 10% nas ações da Guararapes (SA:), dona das Lojas Riachuelo.

A carteira também contou com a alta de 6,2% nos papéis da Suzano (SA:), que, combinados, ofuscaram as perdas com Equatorial (SA:), Ambev (SA:) e Hypera (SA:).

Socopa tem a melhor carteira recomendada para agosto

Socopa tem a melhor carteira recomendada para agosto

A segunda melhor recomendação de agosto veio da Nova Futura, que garantiu retorno positivo de 0,4% ao investidor com as disparadas de SLC Agrícola (SA:) (+25%) e Porto Seguro (SA:) (+10,6%), que compensam fortes perdas de Itaú (SA:) (-6%), Bradesco (SA:) (-7,5%) e Via Varejo (SA:) (-20,6%).

Das demais carteiras, 13 conseguiram superar o Ibovespa, mas ficaram em terreno negativo, enquanto 11 ficaram abaixo do benchmark.

Petrobras e Itaú, os queridinhos do mês atrapalham as carteiras

As principais apostas para o mês decepcionaram os investidores em agosto. Itaú e a Petrobras (SA:) constavam, cada uma, em 12 carteiras e acabaram pressionando os resultados com recuos de 6,1% e 2,1%, respectivamente.

A Vale (SA:), mais indicada em julho e terceira mais sugerida em agosto com 11 recomendações, superou o mau humor do mercado interno com o recorde no balanço do 2T18 e entregou um retorno positivo de +0,6%, no terceiro mês consecutivo de avanço. Nos últimos 12 meses, a mineradora se valorizou em 10 e cedeu em 2, acumulando ganhos de 54%.

Entre as 10 mais indicadas, a maior decepção veio dos papéis da Via Varejo, que afundou 20,6% e pressionou as carteiras da Genial, Guide, Mirae, Nova Futura, Planner e Rico.

Small caps são destaques para o bem e para o mal

Entre todos os 85 ativos indicados pelas 26 corretoras, bancos e casas de análise, o melhor retorno veio dos papéis da SLC Agrícola, que saltou 24,8% em agosto. O papel só estava presente no portfólio da Nova Futura.

TOP5 entre as recomendadas

TOP5 entre as recomendadas

Completam o ranking, a Tupy (SA:) com ganhos de 19,8% no mês, na carteira do BB-BI e Coinvalores; Ferbasa (SA:), com +14,6%, e integrante das apostas do Banrisul e Planner; IRB Brasil (SA:), com +11% e presente em 6 carteiras; e a Tenda (SA:), com 10,9%, presente na Genial, Guide e Santander.

Entre as maiores decepções, estão a QGEP (SA:), com perdas de 24,6% e presente na carteira da Foleo; Minerva (SA:) (-22,8%), na Toro e Itaú; Qualicorp (SA:) (-21,4%), na carteira do Safra; Via Varejo (-20,6%), em 6 carteiras; e Valid (SA:) (-18,7%), parte do portfólio do Itaú e Terra.

Veja abaixo todas as recomendações para agosto

*O Investing.com Brasil utiliza como padrão para análise de desempenho das carteiras a comparação entre os preços dos ativos no fechamento do pregão de 31 de julho e o do fechamento de 31 de agosto. Algumas recomendações utilizam outros valores e datas de entrada nos papéis e, por isso, podem apresentar resultado mensal diferente do calculado pelo Investing.com Brasil.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!