Argentina vai ao FMI. Novas medidas serão suficientes? – Exame

Nesta terça, o ministro da Fazenda argentino se encontrará com a presidente do FMI para apresentar um novo pacote de reformas fiscais

Por Redação EXAME

access_time 4 set 2018, 07h16 – Publicado em 4 set 2018, 06h44

A Argentina vai aos Estados Unidos para mostrar que tem feito o dever de casa. Nesta terça-feira, o ministro da Fazenda argentino, Nicolás Dujovne, se encontrará com a presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, para apresentar um novo pacote de reformas fiscais, e atualizar a situação do país.

O balanço “obrigatório” ocorre por conta de um empréstimo realizado pelo FMI, em junho deste ano. O plano era que 15 bilhões de dólares seriam enviados ao país sul-americano no início do ano e, ao todo, serão 50 bilhões de dólares em três anos. Mas o recrudescimento da crise argentina forçou o governo de Mauricio Macri a pedir mais recursos imediatamente.

Segundo o governo argentino, a primeira parcela foi usada para reforçar as verbas orçamentárias e as reservas do Banco Central argentino. Já a segunda remessa, terá“caráter precatório”. A moeda de troca, porém, já foi “aplicada”. Ontem, o governo argentino anunciou o corte de nove dos atuais 19 ministérios, que serão absorvidos por outras pastas (Macri havia ampliado o ministério quando assumiu o governo).

Os Ministérios da Energia, Trabalho, Agronegócio, Saúde, Turismo, Meio Ambiente, Ciência e Cultura se converterão em secretarias de Estado, segundo comunicado que não especificou o que acontecerá com Mario Quitana e Gustavo Lopetegui, que atualmente desempenham a função de vice-presidentes do gabinete e coordenadores da equipe econômica.

O governo também anunciou a aplicação de um novo imposto sobre as exportações e o corte de gastos para reduzir seu déficit fiscal. Com estas medidas, o governo busca eliminar o déficit primário fiscal de 2019 e mitigar a inflação alta e a recessão que abalam o país.

Os empréstimos, sob o ponto de vista do presidente argentino, Mauricio Macri, são essenciais para conter a crise do país. O peso desvalorizou mais de 50% em relação ao dólar desde o início do ano, e cálculos mostram que a inflação de 2018 pode chegar a 28%. O juro básico argentino terminará este ano em 45% ao ano, ante os atuais 40% e 23% da previsão anterior agência de classificação de risco S&P, e a expansão será de 1,5% do PIB do país neste ano, ante 2,8% do prognóstico anterior.

O peso desvalorizou mais 4% ontem, mas a avaliação de investidores é que apenas nesta terça-feira o mercado dará uma resposta mais incisiva sobre se está satisfeito com as novas movimentações argentinas. Ontem foi feriado do Trabalho nos Estados Unidos, o que limitou o volume de negociações. Macri e seus aliados, portanto, começam a terça-feira de dedos cruzados.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!