Problema complexo, solução errada: Maduro aumenta preço da gasolina – Exame

Governo da Venezuela aumenta o preço da gasolina em postos na fronteira com a Colômbia nesta terça-feira

Por Redação EXAME

access_time 4 set 2018, 06h50 – Publicado em 4 set 2018, 06h37

Contra os problemas complexos há sempre uma solução simples com potencial para piorar ainda mais a situação. O governo da Venezuela vai aumentar o preço da gasolina em postos na fronteira com a Colômbia. A medida, que será implementada nesta terça-feira, é uma resposta ao contrabando de combustível realizado pelo país vizinho. “Vou deixar mais cara a gasolina na fronteira colombiana. Já nos roubaram o suficiente”, afirmou o presidente venezuelano Nicolás Maduro, nas redes sociais.

O aumento nas fronteiras é considerado umas das únicas medidas que o governo venezuelano pode fazer para “retaliar” as ações de outros países sobre seu território.

A gasolina é um produto fortemente subsidiado pelo governo. Com uma inflação de mais de 800.000% ao ano, 0,01 centavo de dólar pode comprar mais do que um barril de gasolina. Numa comparação publicada pelo jornal Folha de São Paulo, o valor pago por um café poderia comprar 3.000 litros do combustível, que pode encher 60 vezes o tanque de um tanque de um carro médio.

Maduro, que teme um novo Caracazo – quando, em 1989, a população venezuelana se revoltou contra o governo por conta do aumento no preço da gasolina – prometeu um novo esquema de preços para hidrocarbonetos e um subsídio direto a venezuelanos portadores do cartão nacional, uma identidade que dá acesso a programas sociais (e que permite um controle da oposição por parte do governo).

A Venezuela não está perdendo somente gasolina para a Colômbia, mas também sua população. Estima-se que mais de 600.000 venezuelanos tenham entrado no país vizinho, o que mais recebeu migrantes em busca de emprego e de melhores condições de vida no continente.

O governo colombiano tem, junto com outros países sul-americanos, negociado planos e acordos para lidar a crise migratória. Na semana passada, líderes do Brasil, Equador, Colômbia e Peru se reuniram para discutir o êxodo de mais de 2,3 milhões de pessoas da Venezuela. Enquanto os acordos não saem do papel, os países tentam, individualmente, lidar com a chegada dos migrantes.

No mês passado, o Equador iniciou um corredor humanitário, para que os venezuelanos entrassem no país e conseguissem migrar para outros territórios. O governo brasileiro prometeu entrega de senhas para aqueles que migrassem temporariamente (poderiam, assim, passar o dia no Brasil para comprar alimentos e remédios, e voltar para a Venezuela).

Ontem, a ONG Human Rights Watch divulgou relatório cobrando dos países sul-americanos a adoção de um regime comum de proteção aos venezuelanos. Enquanto o governo de Maduro promete medidas para conter a crise, as pessoas deixam o país, e vivem uma outra crise: a da falta de política migratória no continente.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!