Setor defende que fusão AT&T e TimeWarner não seja autorizada no país

A megafusão entre as empresas estadunidenses de telecomunicação AT&T e de programadoras de TV paga TimeWarner não deve ser autorizada no Brasil. O ponto de vista foi apresentado por representantes de emissoras, pesquisadores e entidades da sociedade civil em audiência realizada hoje (4) na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicações e Informática da Câmara dos Deputados.

A junção dos dois conglomerados foi anunciada em 2016. A AT&T é controladora da Sky, segunda maior operadora de TV paga do Brasil, com participação de 28,5% do mercado, conforme dados da consultoria Teleco. A TimeWarner é responsável por diversos canais de TV por assinatura, entre eles Warner Channel, HBO e TBS. O grupo é o líder no segmento de programação, com 26,32% do mercado, segundo dados da Agência Nacional de Cinema.

A fusão também provocou polêmicas nos Estados Unidos. Em junho deste ano, a Justiça do país aprovou a mudança acionária. Mas o Departamento de Justiça, órgão ligado ao Executivo Federal daquele país, recorreu.

Em razão de sua atuação no Brasil a fusão das duas empresas entrou na análise de três autoridades: a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a Agência Nacional de Cinema (Ancine) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Em 23 de outubro do ano passado, o Cade aprovou a fusão, condicionando-a à proibição de troca de informações entre as duas empresas originárias sobre contratos com concorrentes (para evitar que a TimeWarner se beneficiasse destes para definir sua atuação comercial) e a proibição de práticas comerciais discriminatórias (para impedir favorecimentos de uma companhia a outra).

O representante do Cade na audiência, Rodrigo Fernandes, justificou que a decisão do órgão se ateve à análise concorrencial, sem entrar no mérito do que permite ou não a legislação. “Nós entendemos que a melhor dinâmica seria a não invasão da esfera regulatória por parte da autoridade da concorrência porque, se não, daríamos um sinal ao mercado de inflação das atividades do Cade, o que não seria benéfico”, disse.

Anatel e Ancine

Segundo a Lei 12.485, de 2011, conhecida como Lei do Serviço de Acesso Condicionado (que regula um conjunto de atividades, entre elas a TV por assinatura), Anatel e Ancine devem avaliar mudanças de controle de empresas, como fusões, para averiguar se estes estão de acordo com a legislação. A Anatel começou a examinar a aquisição e em agosto de 2017 e determinou uma medida cautelar suspendendo a transação no país, bem como a celebração de acordos de troca de informações capazes de afetar a atuação da Sky.

Na audiência, o superintendente de Competição da Anatel, Abraão Balbino e Silva, informou que o processo segue em análise pela equipe técnica do órgão. Ele não quis adiantar posição acerca da polêmica.

A Ancine também abriu um procedimento para avaliar a fusão. Uma área da agência elaborou uma nota técnica, mas ainda não há previsão de uma decisão sobre o caso. O documento alerta para efeitos prejudiciais à concorrência nos mercados de programação (reunião de diversos canais) e empacotamento (organização de pacotes para venda a clientes), dificultando a entrada de outras operadoras de menor porte.

Ilegalidade

Se Anatel e Ancine preferiram não entrar no mérito da questão na audiência, representantes de emissoras e de entidades da sociedade civil se colocaram explicitamente contrários à fusão, apontando ilegalidades e prejuízos ao setor. Eles mencionaram o fato de a Lei 12.485 limitar a uma operadora de telecomunicações (como a Sky) a cota máxima de 30% do controle acionário de programadoras (como a TimeWarner). Além disso, a norma proíbe que prestadoras de serviços de telecomunicações (como a Sky) adquiram direitos de transmissão e contratem talentos nacionais.

A professora de comunicação social da Universidade Federal do Ceará e integrantes do Coletivo Intervozes Helena Martins situou a fusão dentro de um movimento global de concentração dos grupos de comunicações. Ela tachou a mudança como ilegal, uma vez que desrespeita os limites da Lei 12.485, e destacou que o aceite da fusão pelas autoridades nacionais traria não apenas prejuízos do ponto de vista concorrencial, mas impactos à diversidade de conteúdos na sociedade.

“Sempre houve preocupação nas políticas de comunicação com o conteúdo nacional e com as formas de protegê-lo diante da pressão de grupos internacionais. Temos que ter preocupação de garantir a soberania nacional e de ter mais diversidade e mais pluralismo, inclusive de conteúdo nacional”, defendeu.

O representante da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV (Abert), Marcelo Bechara, endossou o coro de que a medida “é violação da lei”. Ele rebateu o argumento, que atribuiu às empresas, de que elas não estariam submetidas à lei por não terem sede no país. Bechara indicou exigências em diversas normas da legislação de audiovisual e telecomunicações nos quais a atuação no Brasil é condicionada a uma representação jurídica no país. Assim, concluiu, não faria sentido o argumento dos grupos de não estarem estabelecidas aqui.

Ausência das empresas

Os deputados presentes à audiência lamentaram a ausência de representantes das empresas AT&T e TimeWarner. O presidente da Comissão, deputado Goulart (PSD/SP), informou que as companhias foram convidadas. Os deputados Sandro Alex (PSD/PR) e Luiza Erundina (PSOL/SP) defenderam a realização de uma nova audiência reiterando o convite a representantes dos conglomerados.

Apesar de optarem por uma nova oitiva, os parlamentares já manifestaram contrariedade com a operação. “Estamos próximos de uma tentativa de fraude ao não cumprir a legislação”, pontuou Sandro Alex.

Edição: Davi Oliveira

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!