Brasil e Hong Kong assinam acordo de cooperação na área de fintech

A Autoridade Monetária de Hong Kong (HKMA) e o Banco Central do Brasil (BC) assinaram acordo de cooperação para reforçar a colaboração entre os bancos na área de fintech (empresas de tecnologia que atuam no setor financeiro).

“Especificamente, o acordo procura incentivar e permitir a inovação em serviços financeiros em ambos os mercados e apoiar a expansão local de empresas inovadoras oriundas da outra jurisdição”, informou o BC.

No âmbito do acordo de cooperação, os dois bancos centrais orientarão empresas inovadoras, no compartilhamento de informação e experiências e em projetos conjuntos de inovação.

O documento foi assinado ontem (9) em Basileia, na Suíça, pelo executivo chefe da HKMA, Norman Chan, e o presidente do BC, Ilan Goldfajn.

Parceria é positiva

Em nota, Goldfajn comemorou a parceria com Hong Kong, “um dos principais centros de tecnologia financeira na Ásia”, e ressaltou que o BC tem apresentado novas regulamentações sobre o tema, “para promover o desenvolvimento do setor de fintech e reforçar a resiliência da indústria financeira brasileira a ataques cibernéticos”.

A fintechs são empresas de tecnologia que atuam no setor financeiro. Em abril, foi editada uma norma que estabeleceu os termos para a sua atuação no mercado de crédito, trazendo os critérios, inclusive, para o financiamento entre pessoas físicas por plataforma eletrônica. Assim, as fintechs podem trabalhar sem estarem vinculadas a uma instituição financeira convencional.

A ideia é que, com a expansão dessas empresas, aumente a concorrência no sistema financeiro.

Consequentemente, os custos de empréstimos para clientes desse segmento devem cair e uma parcela maior da população pode ter acesso a serviços financeiros como empréstimos, seguros, investimentos e meios de pagamento.

“O acordo de cooperação implica o compartilhamento de experiências e melhores práticas, e nos permitirá não apenas monitorar mudanças tecnológicas nos mercados financeiros de uma perspectiva mais ampla, mas também adaptar o ambiente regulatório para modelos de negócio inovadores”, explicou Goldfajn.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!