Pressão diminui, mas taxas de juros fecham em alta com pesquisa Datafolha – Isto É

Os juros futuros fecharam a sessão regular em alta, mais expressiva na ponta longa, que melhor reflete a percepção de risco político dos investidores. Os resultados da pesquisa Datafolha, sobre a corrida presidencial, mantiveram-se como o principal fator a conduzir os negócios nesta terça-feira, 11, mas a pressão maior foi vista pela manhã. À tarde, as taxas reduziram a alta e bateram mínimas, em movimento considerado técnico, de ajuste de posições, após o forte estresse da manhã, quando, nos vencimentos longos, as taxas chegaram a subir mais de 20 pontos-base.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 fechou em 8,53%, de 8,50% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2021 encerrou em 9,85%, de 9,79% no ajuste de segunda-feira. A taxa do DI para janeiro de 2023 terminou em 11,63%, de 11,54%, e a do DI para janeiro de 2025 subiu de 12,33% para 12,42%.

“O dia foi bem turbulento: a guerra comercial volta a ter um pouco de impacto mas o grande fator é local, com as pesquisas de ontem, sobretudo a do Datafolha”, disse Renan Sujii, estrategista de renda fixa da GS Research.

Na pesquisa, ele destaca entre os pontos negativos para as aspirações do mercado “o crescimento bem incipiente de Alckmin”, a “desidratação de Marina, com votos indo para Haddad e Ciro” e “aumento do risco Ciro”, além da oscilação do candidato Jair Bolsonaro (PSL), que foi positiva mas dentro da margem de erro.

A pesquisa, registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-02376/2018, mostrou que Bolsonaro oscilou de 22% em agosto para 24% no levantamento divulgado na segunda-feira e quatro candidatos estão tecnicamente empatados na segunda colocação, no limite da margem de erro, que é de dois pontos porcentuais.

Ciro Gomes (PDT) subiu de 10% para 13%. Marina Silva (Rede) caiu de 16% para 11%. Geraldo Alckmin (PSDB) oscilou de 9% para 10%. Fernando Haddad cresceu de 4% para 9%. Haddad foi oficializado como o substituto do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva como candidato do PT à Presidência na tarde desta terça, o que era amplamente esperado pelo mercado.

Nas simulações de segundo turno, Jair Bolsonaro perde para Ciro, Alckmin e Marina Silva. Contra Haddad, o deputado federal aparece tecnicamente empatado.

Em comentário enviado a clientes, o UBS avaliou nesta terça que os preços dos ativos não refletem o resultado mais provável do primeiro turno da eleição. A avaliação do banco é que, a exemplo do que aconteceu nas eleições de 2002, o pico de volatilidade acontecerá nas semanas entre o primeiro e o segundo turno.

Nos demais ativos, o dólar à vista era negociado em R$ 4,1614 (+1,92%), longe da máxima de R$ 4,1792 atingida ainda pela manhã, às 16h25. Nas ações, o Ibovespa recuava 2,36%, aos 74.630,89 pontos, com expressivas perdas em papéis do setor financeiro – Itaú Unibanco PN (-3,58%) e BB ON (-4,11%).

O post Pressão diminui, mas taxas de juros fecham em alta com pesquisa Datafolha apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!