Guardia descarta intervenções para conter alta do dólar

O governo não pretende agir para segurar o dólar, disse hoje (12) o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia. Em viagem a Fortaleza, ele afirmou que a volatilidade da moeda norte-americana nas últimas semanas ainda não motivou nenhuma medida por parte da equipe econômica.

De acordo com o ministro, boa parte das altas recentes deve-se a fatores internacionais, sobre os quais o governo não tem controle. “Não há nenhuma medida para ser tomada neste momento. O que existe são movimentos internacionais que têm pressionado moedas de países emergentes, como o Brasil”, declarou o ministro após evento na sede do Banco do Nordeste na capital cearense.

O ministro ressaltou que o governo está acompanhando a situação e acrescentou que somente reformas estruturais que reequilibrem as contas públicas conseguirão aumentar a resistência do país a crises “agora e no futuro”. Caso contrário, os futuros governos terão de aumentar a carga tributária. “O problema do déficit público brasileiro é o crescimento acelerado da despesa. Nós precisamos reverter essa tendência”, disse.

Previdência

Guardia reiterou que o país tem capacidade de lidar com turbulências internacionais, por ter baixo déficit em transações correntes (comerciais, de serviço e de rendas) e elevadas reservas internacionais. A principal dificuldade da economia brasileira, declarou o ministro, está no lado fiscal.

Segundo o ministro da Fazenda, o governo pode seguir em frente e tentar votar a reforma da Previdência depois das eleições, caso o futuro governante esteja de acordo. “Qualquer candidato que esteja comprometido com o processo de reformas, de modernização do Brasil, de redução de custo Brasil, de redução de custo tributário, de simplificação, de redução de burocracia e disciplina fiscal tem a minha simpatia”, disse.

Edição: Denise Griesinger

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!