Nenhuma atividade recuperou nível pré-greve de caminhoneiros, diz IBGE – Exame

Mais cedo, o IBGE informou que as vendas do varejo restrito caíram 0,5% em julho ante junho, registrando o terceiro mês seguido de quedas

Por Estadão Conteúdo

access_time 13 set 2018, 12h36

Rio – A greve dos caminhoneiros deixou marcas nas vendas do varejo até julho. Segundo a gerente da Coordenação de Comércio e Serviços do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Isabella Nunes, nenhuma das atividades do varejo investigadas na Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) recuperou o nível de abril, após a paralisação das estradas no fim de maio.

Mais cedo, o IBGE informou que as vendas do varejo restrito caíram 0,5% em julho ante junho. Foi o terceiro mês seguido de quedas. No período, a perda acumulada, na média, foi de 2,3%. “Se comparar julho com abril nada se recupera”, afirmou Isabella.

Para a pesquisadora, a greve de maio foi um “evento que impactou”. Além disso, em junho houve impactos indiretos da greve, que desgastou a confiança dos consumidores, trazendo “cautela e conservadorismo nos gastos das famílias”.

Nas contas do IBGE, as vendas do varejo restrito acumularam de janeiro a abril uma alta 3,3% ante igual período de 2017. Após a greve, o acumulado de janeiro a julho tem alta de 2,3% ante os sete primeiros meses do ano passado.

No varejo ampliado, a alta passou de 7,3%, antes da greve, para 5,4%. O destaque foi as vendas de veículos, que passaram de uma alta de 22,2% no acumulado de janeiro a abril para avanço de 16,5% no acumulado de janeiro a julho.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!