BMG compra 65% da empresa Pago Cartões e entra no mercado de adquirência – Isto É

O banco BMG firmou acordo para comprar 65% da empresa Pago Cartões, que passa a se chamar Granito, e se torna mais um a entrar no mercado de adquirência. A instituição, em comunicado divulgado neste sábado, não informou o valor desembolsado pela aquisição mas disse que a compra da subadquirente Pago Cartões permitirá que o banco, por meio de uma atuação própria, atenda ao mercado de micros e pequenos varejistas, disponibilizando soluções customizadas aos clientes.

Segundo o BMG, a operação de compra e venda se encontra sob a aprovação do Banco Central. No comunicado, o BMG informou que a Pago Cartões foi fundada em 2015 e desenvolve produtos flexíveis e adaptados às demandas de cada setor. Atualmente, a empresa trabalha com mais de 20 bandeiras, possui mais de 20 parceiros, escritórios comerciais próprios, além de movimentar cerca de R$ 1 bilhão por ano em sua maquininha.

“O banco vinha estudando a melhor forma de entrar nesse mercado. A Pago, que agora passa a se chamar Granito, tem o know how em tecnologia. Essa expertise será aliada à força e singularidade da nossa rede de distribuição”, destacou, em nota, o diretor financeiro do BMG, Flavio Guimarães Neto. Atualmente, a instituição financeira conta com, aproximadamente, 3 mil correspondentes bancários e cerca de 400 lojas help! em todo o País.

O CEO da Granito, Rodrigo Luiz Teixeira, fala em expandir o leque de produtos. “A Granito será mais que um meio de pagamento, expandindo o leque de soluções customizadas com serviços e gerando melhores resultados aos nossos clientes. Continuaremos trabalhando com tecnologia própria, diferentemente do que o mercado pratica hoje, e agregaremos a solidez e credibilidade do BMG”, disse, em nota.

O BMG afirmou ser o sexto maior banco emissor de cartões no Brasil e, com a Granito, “a expectativa é ampliar essa participação”. Além disso, a instituição aprimora o atendimento aos clientes e, ainda, trabalhará com o chamado “varejo de meios de pagamento”, disponibilizando a máquina de cartões para compra ou troca nas lojas help! e demais correspondentes.

Recentemente, o Broadcast publicou matéria mostrando que a ofensiva de grandes bancos e o ingresso de novos players no mercado de adquirência têm impulsionado o segmento e aquecido a concorrência, mas também têm gerado escassez do seu principal motor: as maquininhas. O boom na demanda exigiu reforço na produção e ainda assim alguns empreendedores tiveram de esperar pelo seu terminal (POS, na sigla em inglês). Com mais de quatro milhões de maquininhas, segundo o Banco Central, o Brasil chama a atenção de mais fabricantes, principalmente as chinesas, que enxergam em quem já está aqui uma vitrine para potenciais negócios fora de seus mercados de origem.

E o mercado realmente continua atraindo novos players. No começo deste mês, a rede de atacarejo do Grupo Pão de Açúcar (GPA), o Assaí, anunciou a entrada no mercado de maquininhas de cartão. A companhia vai vender os equipamentos (POS, na sigla em inglês) a pequenos empreendedores, competindo diretamente num mercado que vem crescendo desde as primeiras apostas, capitaneadas pela PagSeguro, do Uol.

Batizada de “Maquininha Passaí”, a novidade começa nas lojas da rede em São Paulo e deve ser levada a todos os 130 pontos de venda até meados de novembro. O modelo de negócios do Assaí no setor será parecido com o de outros competidores que já miram os micro e pequenos empreendedores. A maquininha será vendida, diferente do modelo tradicional do setor de adquirência, que cobra aluguel do terminal.

Além da PagSeguro, foram nesta direção a Cielo por meio da aquisição da irmã Stelo, Itaú Unibanco com a família Credicard/Pop e ainda o gaúcho Banrisul.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!