Contrários ao ‘fundão’ recebem R$ 150 milhões – Isto É

Três de cada quatro deputados federais contrários à criação do fundo eleitoral abastecido com recurso público receberam dinheiro dessa fonte para custear despesas nas primeiras semanas de campanha. Ao todo, 157 parlamentares que votaram contra o fundão na Câmara fizeram pedidos expressos a seus partidos e já obtiveram R$ 150 milhões.

Nem todos os partidos distribuíram a parcela de recursos a que têm direito do fundo, orçado em R$ 1,7 bilhão neste ano. Por enquanto, o valor repassado a esses deputados equivale a 8% das verbas públicas remanejadas pelo governo para as campanhas.

Na Câmara, a votação ocorreu de forma simbólica, sob críticas dos deputados contrários, que conseguiram numa segunda etapa forçar uma votação nominal em plenário, o que permitiu a identificação de quem apoiou ou rejeitou o projeto: 233 deputados foram favoráveis, 209 contra e três se abstiveram. Quem era favorável passou a cobrar que os contrários abrissem mão da verba, por coerência.

Três dos quatro parlamentares que votaram contra e mais receberam dinheiro do Fundo Eleitoral até agora disputam cargos majoritários neste ano. O deputado Daniel Vilela (MDB), destinatário de R$ 3 milhões, é candidato a governador de Goiás. Colega de bancada dele, o deputado Mauro Mariani (MDB) recebeu R$ 2,5 milhões para concorrer ao governo de Santa Catarina. Em oposição a ele no Estado, o deputado Esperidião Amin (PP-SC) disputa o Senado com R$ 2,383 milhões. A única mulher no topo da lista é a deputada pelo Paraná Christiane Yared (PR). Ela teve direito a R$ 2,4 milhões repassados pelo partido para tentar a reeleição.

Entre os 55 deputados contrários ao fundo que não declararam à Justiça Eleitoral ter recebido verbas da fonte, há casos em que o pai do parlamentar ou algum filho recebeu em seu lugar. A reportagem também identificou que, em certos casos, a verba foi parar na conta do cabeça da chapa que o deputado compõe. Outros não concorrem à reeleição ou renunciaram.

O PTB, por exemplo, fez a triangulação entre familiares. Os deputados pastor Josué Bengston (PA) e Pedro Fernandes (MA) destinaram, cada um, R$ 1,15 milhão aos filhos que tentam se eleger para uma vaga na Câmara: pastor Paulo Bengston e Pedro Lucas Fernandes. Já no caso do deputado federal Wilson Filho (PB), que agora concorre à Assembleia Legislativa e ainda não declarou receitas, o dinheiro faz o caminho inverso. O pai dele, o ex-deputado e ex-senador José Wilson Santiago, é quem recebeu a bolada no mesmo valor para tentar retornar ao Congresso.

No PR, o deputado Marcelo Delaroli (PR-RJ) era contra o fundo, mas hoje figura como candidato a vice-governador do Rio na chapa do senador Romário (Podemos). Delaroli não teve ainda receita declarada, mas Romário indicou ter recebido R$ 2 milhões do fundão. O ex-jogador também era contra.

O deputado Jair Bolsonaro (RJ), presidenciável do PSL, disse que não usaria verbas do fundo, embora seu partido tenha pedido os recursos ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A parcela do PSL é de R$ 9,2 milhões. Aliado dele, o deputado Delegado Waldir (PSL-GO), à época no PR, votou contra o fundão e já recebeu um repasse de R$ 420 mil, apesar de a direção do partido ter anunciado que a bancada fechou acordo para não usar o dinheiro.

‘Desvantagem’. A assessoria do deputado Daniel Vilela (MDB), candidato ao governo de Goiás, afirmou que ele se posicionou contra o Fundo Eleitoral durante as discussões na Câmara porque achava que o Fundo Partidário (R$ 888 milhões) – destinado ao custeio dos partidos, mas cujas reservas podem ser aplicadas em eleições – seria suficiente para o financiamento público das campanhas. “O candidato ficaria em desvantagem em relação aos concorrentes.”

Candidato ao governo de Santa Catarina, o deputado Mauro Mariani (MDB) também disse que cumpre as regras vigentes. “Não faria sentido conduzir uma campanha com menos recursos que os demais concorrentes”, disse o parlamentar.

A deputada Christiane Yared, que tenta a reeleição pelo Paraná, disse que o aporte de R$ 2,4 milhões a sua campanha é fruto de acordo dela com o PR. Em busca da reeleição, o deputado delegado Waldir afirmou que pediu os recursos do Fundo Eleitoral, embora rejeitasse a proposta antes, porque não possui outra fonte de dinheiro e, como presidente do PSL em Goiás, vai bancar despesas de outros candidatos da sigla. O Estado não obteve retorno da assessoria do deputado Esperidião Amin (PP).

Senado

Assim como ocorreu na Câmara dos Deputados, 16 senadores que votaram contra a criação do Fundo Especial de Financiamento de Campanha – conhecido como Fundo Eleitoral – à época de sua criação, em maio do ano passado, já recorreram aos recursos públicos para financiar suas campanhas eleitorais. Manifestamente contra o fundão, estes parlamentares receberam, por meio dos partidos, um total de R$ 24 milhões.

O fundão foi criado como reação do Congresso à proibição de doações empresariais. Ele dispõe de R$ 1,7 bilhão, remanejados de outras despesas do governo, como emendas de bancada e renúncia fiscal.

Principal articulador da criação do fundo eleitoral, o senador Romero Jucá (RR), presidente nacional do MDB, chegou a desafiar os críticos a abrirem mão do dinheiro que poderiam receber, durante a fase de debates no Congresso Nacional. “Quem não concordar com o fundo pode assinar uma declaração renunciando ao dinheiro para a próxima eleição”, afirmou Jucá à época.

No Senado, a votação foi simbólica, mecanismo que permite a não divulgação da identidade dos parlamentares que aprovaram a transferência de recursos de outras áreas para campanhas políticas, em meio a um corte de gastos do governo federal. Porém, por causa de protestos contra a manobra durante a sessão tumultuada, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), permitiu que os senadores registrassem por escrito voto contrário. Eunício era favorável à ideia do fundo e foi um dos primeiros a propor a composição da reserva, em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo.

Ranking

Dos 24 senadores que assinaram o documento de voto “não” à criação do fundo, Omar Aziz (PSD-AM) recebeu a maior parcela: R$ 3,5 milhões transferidos pelos diretórios nacional e estadual do partido para ele disputar o governo do Amazonas. O segundo no ranking, em valores recebidos, foi o senador Ronaldo Caiado (R$ 2,5 milhões), candidato ao governo de Goiás pelo DEM.

Autor do projeto de lei que culminou na criação do fundo, Caiado acabou votando contra a proposição por causa de modificações no texto durante a tramitação. Aziz e Caiado não se manifestaram.

Na sequência aparecem os senadores Romário (Podemos-RJ), candidato ao Palácio Guanabara, e os candidatos à reeleição Renan Calheiros (MDB-AL), Magno Malta (PR-ES), Eduardo Braga (MDB-AM) e Valdemir Moka (MDB-MS). Cada um recebeu R$ 2 milhões.

Nove senadores chegaram a rechaçar publicamente o texto do projeto de lei e a votar pela rejeição de requerimentos que tentavam acelerar a aprovação do fundão, mas não registraram o voto contrário no final.

Estes parlamentares receberam, somados, outros R$ 14 milhões do Fundo Eleitoral. Um dos nomes mais favorecidos deste grupo foi Alvaro Dias (PR), atual candidato a presidente da República pelo Podemos, destinatário de R$ 3,2 milhões. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!