Vila suíça decide distribuir dinheiro. Agora só falta o dinheiro – Exame

É difícil dizer “não” a algo grátis.

Uma vila na Suíça decidiu autorizar uma experiência sobre renda básica que prevê o pagamento de 2.500 francos (US$ 2.570) por mês. O próximo passo é levantar o dinheiro para financiar o plano por meio de crowdfunding.

Mais de 50 por cento dos habitantes de Rheinau, que fica perto da fronteira com a Alemanha, se inscreveram no projeto, segundo o website dos organizadores. Pelo menos metade dos 1.300 habitantes precisava dizer “sim”, e a contagem estava em 692 nesta segunda-feira. As cédulas de votação enviadas ainda precisam ser conferidas com dados do governo para garantir a elegibilidade.

A decisão foi tomada dois anos depois que uma proposta para um estipêndio estatal incondicional para todo o país foi reprovada em votação nacional.

Rheinau, que fica às margens do rio Reno e a uma hora de trem do centro bancário de Zurique, foi escolhida pela cineasta Rebecca Panian para o teste de renda básica. Ela diz que ficou fascinada com a ideia durante o debate nacional antes da votação de 2016 e decidiu escolher uma aldeia como cobaia e fazer um documentário.

Os ganhos e benefícios sociais pesariam contra o pagamento, que terá que ser levantado com fontes privadas, e não com o governo.

Considerando o custo de vida na Suíça, a soma de 2.500 francos não é tão elevada. O salário inicial de um caixa de supermercado na cidade da Basileia para 42 horas de trabalho por semana é de cerca de 3.500 francos por mês.

Embora exista há mais de um século, a ideia de distribuir dinheiro às pessoas — sem contrapartidas — ganhou certo impulso nos últimos anos devido a preocupações em grandes economias a respeito da crescente desigualdade e da perda de empregos causada pela automação.

A Finlândia lançou um projeto-piloto para avaliar os benefícios de uma renda básica universal, assunto que está também na agenda do governo populista da Itália.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!