Mercado vê inflação e dólar mais altos e volta a reduzir estimativa do PIB – Exame

Pesquisa Focus foi divulgada pelo Banco Central na manhã desta segunda-feira

Por Reuters

access_time 17 set 2018, 09h48 – Publicado em 17 set 2018, 09h47

São Paulo – O mercado voltou a reduzir a projeção para o crescimento da atividade econômica no Brasil neste ano mas elevou a conta para a inflação em meio ao nível mais alto do dólar, de acordo com pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira.

Em um cenário de dificuldade de impulso da atividade com desemprego alto e incertezas elevadas antes da eleição presidencial de outubro, a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 é calculada agora em 1,36 por cento, de 1,40 por cento anteriormente. Para 2019, permanece a expectativa de crescimento de 2,5 por cento

O levantamento semanal realizado com uma centena de economistas mostra ainda que o cálculo para a inflação foi elevado em 0,04 ponto percentual, com a estimativa de alta do IPCA este ano chegando agora a 4,09 por cento, enquanto que para o ano que vem a projeção segue em 4,11 por cento.

O centro da meta oficial do governo para 2018 é de 4,50 por cento e, para 2019, de 4,25 por cento, sendo que para ambos os anos há margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

A mudança ocorre em meio a um cenário de real mais desvalorizado, com a projeção para o dólar no final deste ano passando a 3,83 reais, de 3,80 reais antes. Para 2019 a estimativa também subiu a 3,75 reais, de 3,70 reais.

Ainda assim, os especialistas consultados deixaram inalteradas as contas para a taxa básica de juros, com a Selic estimada a 6,5 por cento no final deste ano e a 8 por cento em 2019. O Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, continua vendo a taxa respectivamente a 6,5 e 7,63 por cento, na mediana das projeções.

O Comitê de Política Monetária (Copom) decide na quarta-feira se manterá ou não a Selic na atual mínima histórica, de 6,5 por cento, sendo que em suas últimas comunicações o BC tem reforçado que só reagirá pelo canal de política monetária quando os choques, incluindo o cambial, baterem na expectativa de inflação no horizonte relevante.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!