Rússia acusa Ucrânia e denuncia vídeos alterados em caso do voo MH17 – Isto É

Porta-voz do ministério russo da Defesa Igor Konachenkov e chefe do departamento de mísseis, general Nikolaï Parchine, em 17 de setembro

A Rússia apresentou nesta segunda-feira supostas evidências que, segundo afirma, incriminam o Exército ucraniano pela queda de voo MH17 da Malaysia Airlines, derrubado por um míssil em 2014 no leste da Ucrânia, e considerou que os vídeos envolvendo Moscou no caso foram alterados.

O ministro da Defesa da Ucrânia, Stépan Poltorak, reagiu denunciando uma “nova mentira” da Rússia, informou a agência de notícias Interfax-Ucrânia.

Com base em documentos até então considerados “segredos de defesa” provenientes do fabricante do míssil, o Exército russo assegurou em uma coletiva de imprensa que o míssil foi “montado em 24 de dezembro de 1986 e enviado por trem” para uma unidade militar soviética no oeste da Ucrânia.

“Após o fim da União Soviética, o míssil não foi repatriado para o território russo e foi incorporado ao arsenal ucraniano”, segundo o general Nikolai Parchine, que dirige a divisão encarregada de mísseis no Exército russo.

“A importância dessas descobertas no levou a tomar a decisão sem precedentes de desclassificar esses documentos”, disse ele.

Estas informações foram enviadas aos investigadores internacionais encarregados de esclarecer a tragédia, acrescentou.

A porta-voz do Comitê de Investigação russo, Svetlana Petrenko, declarou em um comunicado que é “uma razão para rever as conclusões provisórias da investigação”.

O avião da empresa Malaysia Airlines que fazia o trajeto Amsterdã-Kuala Lumpur foi derrubado quando sobrevoava o leste da Ucrânia em pleno conflito separatista pró-russo em 17 de julho de 2014. As 298 pessoas a bordo, em sua maioria holandeses, morreu.

O Exército russo rejeitou as conclusões dos investigadores internacionais, que identificaram o míssil como proveniente de uma brigada antiaérea baseada em Kursk (oeste da Rússia).

De acordo com a investigação, o míssil foi transferido da Rússia antes de ser usado no leste da Ucrânia controlado por separatistas pró-russos.

Em uma declaração, os investigadores da comissão internacional (JIT) indicaram que “tomaram nota” destas informações.

Na mesma coletiva de imprensa, o porta-voz do ministério da Defesa russo, Igor Konachenkov, denunciou os “vídeos adulterados” transmitidos na Internet para acusar a Rússia.


Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!