Haddad avalia ministro da Fazenda acadêmico e que dialogue com mercado – Exame

Haddad busca passar segurança que seu governo não seria “amigo do mercado”, mas também não seria inimigo e estaria disposto a dialogar

Por Reuters

access_time 18 set 2018, 17h25

Brasília – A escolha pode não agradar seu partido, mas o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, já tem em mente o perfil de seu futuro ministro da Fazenda, no caso de vencer as eleições deste ano: alguém muito próximo da academia e que tenha boas relações com o mercado, disse à Reuters uma fonte próxima ao candidato.

O desempenho recente de Haddad nas pesquisas de intenção de voto –na última do Datafolha o petista passou de 9 para 13 por cento das intenções de voto em menos de uma semana– elevou o grau de especulações sobre como seria uma equipe econômica em seu governo.

Recém-ungido pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como seu substituto, com a mudança tendo sido oficializada há uma semana, Haddad não declara ainda nomes possíveis e tem dito ao ser questionado que é muito cedo para pensar em equipe. O perfil, no entanto, está claro, segundo quem acompanha o candidato.

“Uma outra coisa está certa: ele não colocaria um político no cargo”, disse a fonte ouvida pela Reuters, que pediu anonimato.

Seria um caminho diferente do usado por seu padrinho político. Lula indicou o ex-deputado Antonio Palocci como seu primeiro ministro da Fazenda. Se pudesse ser eleito –Lula teve sua candidatura barrada por ter sido enquadrado na Lei da Ficha Limpa– o ex-presidente pretendia seguir caminho parecido. Haddad, que tem mestrado em economia, afirmou à Reuters que Lula o havia convidado inicialmente para ser o seu ministro da Fazenda.

A ideia de alguém que inspire confiança no mercado seria uma estratégia para mostrar que um governo Haddad tem compromisso com o rigor fiscal e se manterá longe do desenvolvimentismo assumido pelo governo Dilma Rousseff e de algumas ideias defendidas pelo economista Marcio Pochmann, diretor da Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT, e um dos autores da parte econômica do plano de governo petista.

O nome de Pochmann causa arrepios no mercado, de acordo com fontes ouvidas pela Reuters que, há duas semanas analisaram as ideias do candidato. Em sabatina do UOL, SBT e jornal Folha de S. Paulo, na segunda-feira, Haddad deu sinais claros de que o economista não estaria entre seus preferidos para compor um governo.

“Marcio é um professor, candidato a deputado federal e uma pessoa independente do ponto de vista intelectual”, disse o candidato petista, ressaltando ainda que Pochmann participou do programa de governo petista, coordenado por Haddad, como “outras 300 pessoas participaram”.

Em conversas com bancos e grupos de investimentos, Haddad buscou passar segurança que um governo petista sob seu comando se não seria “amigo do mercado”, também não seria inimigo e seria possível de dialogar. Falta, no entanto, o nome de um possível ministro da Fazenda.

“Ele (Haddad) cita pelo primeiro nome economistas que são caros ao mercado como Samuel Pessôa e Marcos Lisboa, o que é um alento. Mas esse seria o perfil do seu ministro?”, questionou uma das fontes ouvidas no mês passado pela Reuters.

Ambos têm exatamente o perfil que Haddad traça para seu ministro da Fazenda, mas até agora não houve conversas, sondagens e muito menos convites.

Lisboa, presidente do Insper, foi quem convidou Haddad a dar aula no Insper, instituição de ensino voltada para as ciências econômicas e exatas em São Paulo. No primeiro governo Lula, foi secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda por pouco mais de dois anos. Depois disso teceu críticas duras a medidas econômicas adotadas posteriormente nos governos petistas.

Já Pessôa, ligado ao PSDB e professor da Fundação Getulio Vargas, foi colega de mestrado de Haddad na Universidade de São Paulo e mantém uma ótima relação com o ex-prefeito. Em 2014 foi um dos colaboradores do programa econômico do presidenciável tucano Aécio Neves.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!