Alckmin promete força-tarefa de segurança para 150 cidades – Isto É

O candidato à Presidência do PSDB, Geraldo Alckmin, declarou que, se eleito, pretende criar uma força-tarefa de segurança para atuar nas 150 cidades com os maiores índices de homicídios no Brasil. Em entrevista ao Jornal da Globo, o tucano defendeu ainda a aliança com o Centrão e reiterou que, se dependesse dele, o partido não teria feito parte do governo do presidente Michel Temer (MDB).

No programa, Alckmin reiterou a promessa de criar uma agência nacional de inteligência para unificar e para federalizar o combate ao crime organizado e ao tráfico de drogas e armas, e também de criar uma guarda nacional. “Vou pegar as 150 cidades mais perigosas, com os maiores indicadores de assassinatos e criminalidade, e vou fazer uma força-tarefa para, no ano que vem, atuar nessas cidades”, disse o ex-governador de São Paulo.

Alckmin também voltou a dizer que, caso eleito, encaminhará as reformas política, da Previdência, tributária e do Estado nos primeiros seis meses e avaliou que o governo do presidente Michel Temer não conseguiu aprovar as reformas porque não tinha legitimidade do voto.

Autocrítica.

Questionado se, dado o número de correligionários acusados de envolvimento em esquemas de corrupção, era possível realizar uma autocrítica, Alckmin desconversou, dizendo que todos precisam responder à Justiça. Ele reclamou ainda do que seria uma tendência a jogar os políticos todos na mesma “vala comum”. “Moro no mesmo apartamento há 30 anos, abri mão de aposentadoria de deputado estadual e federal, a única coisa que herdei do meu pai foi a vida modesta”, se defendeu.

O tucano disse, por outro lado, ter gostado da entrevista do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) ao Estado, concedida na semana passada, em que este disse, entre outras coisas, ter sido um erro contestar a vitória de Dilma Rousseff em 2014, ter votado contra medidas econômicas positivas apenas porque eram oposição à época e ter feito parte do governo de Temer.

Alckmin lembrou que foi um dos caciques do partido que sempre se colocou contra o ingresso no governo Temer, mas rechaçou ter votado contra medidas econômicas importantes. “O PT é um partido sem limite, não tem como querer colocar a responsabilidade do desastre sobre o PSDB”, defendeu.

O ex-governador de São Paulo ainda defendeu a aliança com os partidos do Centrão e disse se sentir preparado para o desafio do próximo governo. “Fico preocupado de ver o Brasil ir para os extremos. Ninguém está convidando ninguém para um banquete. Quem ganhar a eleição, é subir a rampa em dia de chuva com lata na cabeça, não vai ser fácil”, avaliou.


Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!