Expropriar ou privatizar? O que os 5 candidatos líderes querem do petróleo – Exame

A rapidez com que o Brasil, uma fonte crescente de petróleo de fora da Opep, acelerará a produção dependerá do novo presidente e da composição do Congresso

Por Sabrina Valle, da Bloomberg

access_time 20 set 2018, 17h17

O Brasil está se preparando para expropriar campos de petróleo à moda da Venezuela ou para privatizar sua paixão nacional, a Petrobras?

É isso que está em discussão na campanha presidencial do Brasil e grandes companhias de petróleo com apostas altas no país têm muito em jogo.

A rapidez com que o Brasil, uma fonte crescente de petróleo de fora da Opep, acelerará a produção no ano que vem vai depender do resultado da eleição presidencial e da composição do próximo Congresso.

Produtoras como Exxon Mobil e Royal Dutch Shell poderiam receber ainda mais incentivos para se expandir no pré-sal ou ver as oportunidades em uma das maiores novas fronteiras petrolíferas do mundo evaporarem se as recentes regulações favoráveis para o setor forem revertidas.

Pesquisas recentes mostram o candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro na liderança, seguido por Fernando Haddad, acadêmico e membro do PT, partido de esquerda que tradicionalmente favoreceu a nacionalização do petróleo.

Sob o governo PT, o Brasil suspendeu em 2008 por cinco anos as rodadas de licitações de petróleo para elaborar uma nova legislação e conceder à Petrobras privilégios no pré-sal, que são enormes reservas em águas profundas.

Depois, um governo conservador assumiu o controle em 2016, quando um impeachment encerrou 13 anos de governo do PT, e rapidamente começou a eliminar a legislação nacionalista e promover leilões para atrair investidores estrangeiros.

A eleição determinará se essas reformas serão aprofundadas, mantidas ou reduzidas e as grandes empresas do setor estão prestando atenção. Os candidatos:

Jair Bolsonaro:

Entre os líderes das pesquisas, Bolsonaro oferece a maior esperança para a indústria do petróleo. Recentemente, em 4 de agosto, ele sugeriu privatizar a Petrobras para criar condições mais justas para outras empresas. Desde então, ele moderou sua mensagem, dizendo que não planeja vender o negócio principal da Petrobras, mas que algumas refinarias poderiam ser colocadas à venda.

A Petrobras controla 99 por cento da capacidade de refino do Brasil. Antes de adotar a agenda econômica liberal defendida pelo economista-chefe de sua equipe, Bolsonaro defendia uma política nacionalista do petróleo, que considerava a Petrobras um ativo estratégico.

Fernando Haddad:

O candidato do PT se pronunciou contra a privatização da Petrobras e criticou as reformas em relação ao petróleo aprovadas pelo presidente Michel Temer. P

Por outro lado, ele se posicionou contra os subsídios à gasolina e ao diesel que custaram à Petrobras cerca de US$ 40 bilhões durante o boom das commodities, de 2011 até o início de 2014, quando o PT estava no poder.

Ciro Gomes:

Ciro se tornou o maior pesadelo do lobby do petróleo. Ele considera que o impeachment de Dilma Rousseff em 2016 foi um golpe e chegou a dizer que os campos de petróleo vendidos pelo governo Temer deveriam ser expropriados. Mais de 40 blocos foram vendidos no governo Temer para empresas como Exxon, BP, Shell e Equinor.

“Eu considero essas vendas ilegítimas”, disse ele à Bloomberg em julho. Os acionistas da Petrobras também têm muito com o que se preocupar.

Ciro disse que a gigante do petróleo não deve acompanhar os preços internacionais dos combustíveis e que as margens de lucro da companhia são grandes demais.

Geraldo Alckmin:

O ex-governador de São Paulo é o candidato preferido da comunidade empresarial, mas ele não tem conseguido avançar nas pesquisas de opinião, apesar de contar com o apoio da grande coalizão de centro-direita. Os executivos do setor do petróleo estão tão desapontados quanto os banqueiros.

Ele apoia a venda de refinarias da Petrobras e defende ajustes regulares dos preços do combustível para impedir o retorno dos subsídios caros. Alckmin sugeriu um “colchão tributário” para absorver o impacto das oscilações de preço do combustível no Brasil.

Marina Silva:

A ex-ministra do Meio Ambiente é moderada em política econômica e progressista em políticas ambientais e sociais, e é improvável que chegue ao segundo turno após o declínio nas pesquisas recentes.

Ela é contra a privatização da Petrobras e disse que a companhia deveria alavancar sua produção nacional de petróleo e seus produtos refinados para proteger os consumidores das flutuações de preço. Se Marina conseguir se recuperar, o setor do petróleo começará a se preparar para um escrutínio ambiental mais rigoroso.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!