Prévia da inflação tem alta de 0,09% em setembro, diz IBGE – Exame

Com o resultado, o IPCA-15 acumulou um aumento de 3,23% no ano

Por Estadão Conteúdo

access_time 21 set 2018, 10h03 – Publicado em 21 set 2018, 09h57

São Paulo – A prévia da inflação oficial registrou o menor avanço do ano e a taxa mais lenta em mais de uma década em setembro, com forte recuo dos preços de alimentos compensando alta da energia elétrica, resultado que diminui a pressão para que o Banco Central antecipe o início do ciclo de altas da Selic.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) subiu 0,09 por cento em setembro, sobre alta de 0,13 por cento no mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se da menor taxa desde setembro de 2006 e menor variação do ano de 2018.

Pesquisa da Reuters com economistas estimava alta de 0,17 por cento para o período.

Nos 12 meses até setembro, o IPCA-15 acumulou alta de 4,28 por cento, de 4,30 por cento em agosto, afastando-se um pouco mais do centro da meta, de 4,5 por cento pelo IPCA com margem de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo definida para este ano.

A expectativa para o dado na pesquisa da Reuters era de ganho de 4,36 por cento.

No mês, a principal influência partiu de do grupo de alimentos, cujos preços recuaram 0,41 por cento, pela influência da alimentação em domicílio (-0,70 por cento) diante dos preços menores da cebola (-18,51 por cento), batata inglesa (-13,65 por cento), leite longa vida (-6,08 por cento) e carnes (-0,97 por cento).

“IPCA-15 muito mais baixo que o esperado… reforça a sinalização do Copom que não há efeito significativo de pressões inflacionárias”, disse a economista do Santander Tatiana Pinheiro, em comunicado. “Surpresas: vestuário com 0 por cento de inflação e combustíveis ainda em deflação. Essas surpresas não devem permanecer até o final do mês, por isso mantemos nossa expectativa de inflação ao redor de 0,30 por cento m/m para setembro.”

Fora de casa, por outro lado, o brasileiro gastou um pouco mais com alta de 0,12 por cento na categoria, embora o ritmo do avanço tenha ficado bem abaixo do 0,84 por cento de aumento na leitura de agosto, segundo o IBGE.

A maior pressão de alta veio nos gastos relacionados com a habitação, que subiram 0,30 por cento, com a despesa com energia elétrica 0,34 por cento maior que no período anterior, no que já é o sétimo mês consecutivo de variação positiva, informou o instituto. Nos últimos 12 meses, a conta de luz ficou 19,01 por cento mais cara, representando um impacto de 0,67 ponto percentual na inflação, disse o IBGE.

O Banco Central manteve nesta quarta-feira a taxa de juros no seu piso histórico, de 6,5 por cento, mas apontou que pode subir a Selic à frente caso haja piora do quadro atual, conforme as incertezas ligadas às eleições vêm guiando uma escalada do dólar frente ao real.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!