Déficit primário poderá terminar o ano com folga em torno de R$ 36 bi

O Brasil poderá encerrar 2018 com um déficit primário nas contas públicas com folga, em torno de R$ 36 bilhões, disse hoje (21) o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida. Segundo ele, União, estados, municípios e estatais poderão fechar 2018 com resultado negativo em torno de R$ 125 bilhões, contra meta original de R$ 161,3 bilhões estipulada no Orçamento.

O déficit primário representa o resultado negativo das contas do governo sem o pagamento dos juros da dívida pública. Segundo Almeida, dois fatores contribuirão para esse resultado, o pagamento da dívida de Itaipu com a União, de R$ 5 bilhões, e o empoçamento de gastos nos ministérios, que deverão terminar o ano sem conseguirem executar R$ 15 bilhões.

Originalmente, o Orçamento deste ano estabelecia meta de déficit primário de R$ 159 bilhões para o Governo Central (Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social); déficit de R$ 3,5 bilhões para estatais federais e superávit primário de R$ 1,2 bilhão para estados e municípios. O Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas, divulgado hoje (21) pelos ministérios da Fazenda e do Planejamento, estima números mais otimistas.

De acordo com as mais novas projeções da equipe econômica, o Governo Central deve encerrar com déficit de R$ 154,9 bilhões. Originalmente, o rombo poderia chegar a R$ 150,8 bilhões, mas o governo liberará R$ 4,12 bilhões de despesas não obrigatórias nos próximos dez dias.

Os estados e municípios deverão encerrar o ano com superávit de R$ 9,7 bilhões, por causa principalmente do aumento de transferências da União para os governos locais, provocado pela melhoria da arrecadação federal. As estatais deverão fechar 2018 com superávit de R$ 100 milhões.

Por diferenças de metodologia em relação ao Banco Central, as projeções do Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas não incorporam os R$ 5 bilhões de Itaipu. O empoçamento de R$ 15 bilhões de recursos nos ministérios ainda não está considerado porque o valor não gasto só será conhecido no fim do ano. Caso os dois valores sejam levados em conta, o superávit das estatais subiria para R$ 5,1 bilhões, e o déficit do Governo Central cairia para R$ 139,9 bilhões, resultando em déficit final de R$ 125,1 bilhões.

Apesar da melhoria nas previsões de déficit, o secretário do Tesouro disse que não há motivos para comemorar porque o rombo nas contas públicas continua grande. “O Brasil está indo para o quinto ano consecutivo de déficit primário. O país tem uma dívida bruta muito alta, de 77% do PIB (Produto Interno Bruto, soma de tudo o que é produzido), enquanto países de renda média costumam ter dívida abaixo de 50% do PIB”, explicou.

*Texto alterado para correção de informações

Edição: Fernando Fraga

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!