Como uma loja brasileira de camisetas sobre criptomoedas fracassou – Portal do Bitcoin

Tudo começou com uma ideia simples: vender camisetas e acessórios focados no público entusiasta pelas moedas digitais no Brasil. A Hodl Style surgiu em fevereiro de 2018 para aproveitar uma oportunidade de mercado identificada pelos três sócios da loja e ajudar os criptomaníacos a expressar publicamente sua paixão pelos ativos digitais.

O otimismo se justificava pelo grande crescimento do mercado de criptomoedas no ano passado e pela valorização dos ativos. Ripple (36.018%), NEM (29.842%), Ardor (16.809%), Stellar (14.441%), Dash (9.265% e Ethereum (9.162%) foram apenas algumas das estrelas em um ano em que o Bitcoin se valorizou em mais de mil vezes (1.318%).

“Vimos que um mundo inteiro de oportunidades estava crescendo diante de nossos olhos. Era um mercado que pouquíssimas pessoas conheciam e ainda conhecem, portanto poderia ser explorado”, explica Vitor Braga, 27, um dos sócios da Hodl Style.

Engenheiro de computação formado na Unicamp, Braga conheceu o Bitcoin e as criptomoedas há dois anos. No final do ano passado, se juntou com dois amigos e resolveu entrar mundo cripto com estilo, criando a loja de acessórios focada no tema. “Seria um negócio simples, sem grande investimento”, diz.

Surfando no boom das criptomoedas, começaram a montar o negócio no fim de 2017. “Nosso foco”, afirma Braga, “era produzir camisetas estilizadas com qualidade”.

Os sócios criaram metas para ter certeza de que a ideia era viável. “Inicialmente, nosso objetivo era validar se nossa hipótese estava correta”, diz. Os empreendedores partiam do pressuposto de que a empolgação com as criptomoedas era grande no Brasil.

Tanto “que o público entusiasta se interessaria em comprar camisetas e acessórios específicos”. Estipularam, então, uma meta mensurável: a loja seria viável se vendesse pelo menos 60% dos estoque.

Vitor Braga, um dos sócios da loja virtual, que será fechada em breve. (Foto: Arquivo pessoal).

Dificuldade em receber pagamentos em cripto

A Hodl Style, claro, aceitava pagamentos em criptomoedas, mas o processo foi dificultado pelo fato de a plataforma onde está hospedado o site da empresa não oferecer integração específica.

Até hoje, afirma Braga, apenas uma compra foi feita usando esse meio de pagamento. Embora haja uma barreira logística para o pagamento em cripto, o empreendedor admite que não houve grande procura por transações desse tipo.

Outra grande dificuldade é conseguir divulgar os produtos para o público interessado nas camisetas cripto. “Mesmo pagando propagandas no Facebook, não obtivemos sucesso. O próprio Facebook bloqueou as propagandas relacionadas a criptomoedas bem depois que começamos a operar”, diz.

Sem retorno para seu investimento na rede social, tentaram outra estratégia. Propuseram campanhas com uma youtuber da área. Não tiveram sucesso.

Depois de meses tentando, os sócios decidiram fechar o negócio. “Os gastos para manter a plataforma não têm valido a pena de serem sustentados”. As mercadorias não saem e Braga identifica também um “desânimo com o mercado de criptomoedas”.

Para ele, o mercado brasileiro de criptoativos ainda está muito condicionado a momentos de empolgação (e de apatia). “Acredito muito no Bitcoin e nas outras moedas, mas acho que esse efeito ‘bipolar’ vai perdurar por alguns anos ainda”.

Um dos aprendizados dessa experiência, conta, foi sempre pensar no mercado a partir de uma perspectiva pessimista. Apesar de não ter conseguido transformar a Hodl Style na loja oficial de camisetas cripto no Brasil, o engenheiro da computação se diz orgulhoso de ter tentado.


Compre Bitcoin no Celular

A BitcoinTrade é a melhor plataforma para operar criptomoedas do Brasil.
Compre Bitcoin, Ethereum e Litecoin com segurança e liquidez, diretamente pelo app.
Baixe agora e aproveite, acesse: www.bitcointrade.com.br

O post Como uma loja brasileira de camisetas sobre criptomoedas fracassou apareceu primeiro em Portal do Bitcoin.

Fonte Oficial: Portal do Bitcoin.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!