Economista Guido Sandleris é o novo presidente do BC da Argentina – Exame

Esta foi a segunda renúncia de um presidente do banco central em menos de quatro meses, em meio a negociações com o FMI para a extensão do acordo

Por Reuters

access_time 25 set 2018, 12h35 – Publicado em 25 set 2018, 11h43

Buenos Aires – O economista Guido Sandleris foi escolhido como novo presidente do Banco Central da Argentina (BCRA), cargo até então ocupado por Luis Caputo, que renunciou nesta terça-feira.

Especialista em economia internacional, finanças e macroeconomia e com uma longa carreira acadêmica, Sandleris foi secretário de política econômica do Ministério da Fazenda até meados deste ano.

Caputo renunciou ao cargo por “motivos pessoais” em meio à crise econômica do país. O governo argentino tenta fechar um novo acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para fortalecer o compromisso assinado em junho, que contempla um crédito de US$ 50 bilhões.

No comunicado que oficializa a nomeação de Sandleris, a presidência argentina confirmou que Gustavo Enrique Cañonero continuará como vice-presidente do Banco Central.

Graduado em Economia pela Universidade de Buenos Aires, mestre pela London School of Economics e doutor pela Universidade Columbia em 2005, o novo presidente do órgão passou a integrar o governo de Mauricio Macri em 2017, quando foi nomeado chefe de assessores do Ministério da Fazenda.

Em 2016, Sandleris foi subsecretário de Finanças da província de Buenos Aires. Desde 2007, é professor na Universidade Torcuato Di Tella, onde até 2015 dirigiu o Centro de Pesquisa em Finanças e foi decano da Escola de Negócios entre 2014 e 2015.

Sandleris foi docente na Johns Hopkins University e professor visitante no London School of Economics e na Universidade dos Andes, assim como pesquisador visitante no Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) de Mineápolis, no Banco Central de Chile, na PUC-Rio, no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e no FMI.

Repercussão

Em nota oficial, o FMI disse que espera continuar mantendo uma relação “próxima e construtiva” com o Banco Central argentino na liderança de Sandleris e que as novas negociações entre a entidade e o governo devem ser concluídas “em breve”.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!