Com câmbio, Fipe eleva projeção do IPC do mês de 0,28% para 0,31% – Exame

Apesar da elevação, o IPC-Fipe pode ficar menor que o de agosto, porém, deve ser maior que o de setembro de 2017

Por Estadão Conteúdo

access_time 25 set 2018, 14h16

São Paulo – Em meio à contínua elevação do dólar, o coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Guilherme Moreira, aumentou a projeção para o indicador deste mês. “Passou de 0,28% para 0,31%, e tem parcela importante do câmbio”, diz.

Apesar da elevação, o IPC-Fipe pode ficar menor que o de agosto (0,41%), porém, deve ser maior que o de setembro de 2017 (0,02%). Diante das pressões recentes, Moreira adianta que a projeção de 3,25% para o IPC do ano deve ser elevada.

Ainda que os efeitos da desvalorização cambial estejam mais visíveis nos preços da gasolina, o economista cita que alguns preços já estão avançando consideravelmente. Ele menciona, por exemplo, a parte de massas, farinhas e féculas, com alta de 3,21% na terceira quadrissemana do mês (ante 2,54%), com elevação de 5,45% da farinha de trigo, após 3,73% na segunda leitura do mês. “São variações consideráveis, e estão começando a captar os impactos do dólar. O segmento de óleos também está com alta importante. O azeite passou de 2,48% para 3,61%”, diz.

Na terceira quadrissemana do mês, o IPC-Fipe acelerou a alta a 0,36%, após 0,30% na segunda medição. Dentre os destaques de aceleração, o coordenador menciona o grupo Alimentação, cuja taxa passou de queda de 0,43% para recuo de 0,01%, e o de Transportes, que avançou de 0,13% para 0,59%.

Em Transportes, a gasolina aparece como maior fonte de pressão, ao ficar 3,32% mais cara (ante 1,44%), enquanto o etanol subiu 4,22% depois de ceder 0,18% na segunda leitura do mês. Além disso, as passagens aéreas (8,90% ante 10,07%) continuaram influenciando o grupo Transportes. “Na gasolina, o efeito do câmbio já é visível, mas tem aparecido em outros produtos. Não tem como escapar”, diz.

Conforme Moreira, o impacto da alta do dólar tende a continuar pressionando os preços na cidade de São Paulo, embora ainda em ritmo menos intenso que o esperado por conta da demanda reprimida. “Essa contaminação é natural e está lenta, mas não tem como segurar. Porém, ainda não preocupa, pois a inflação segue muito baixa”, explica.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!