Dívida líquida caiu em agosto em função da desvalorização cambial, diz BC – Isto É

O chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, afirmou nesta sexta-feira, 28, que a queda da dívida líquida registrada na passagem de julho para agosto, de 52,2% para 51,2% do Produto Interno Bruto (PIB), deve-se à desvalorização cambial ocorrida no mês passado.

Ele lembrou que, com a alta do dólar ante o real, a dívida líquida acaba sendo favorecida, porque ela leva em conta, além dos passivos em dólar, os ativos na moeda estrangeira – no caso, as reservas internacionais. Como o Brasil é credor em moeda estrangeira, o avanço do dólar reduz a dívida líquida.

Este efeito, no entanto, não ocorre na dívida bruta, que não leva em conta as reservas. “O efeito da desvalorização cambial se dá apenas sobre passivos, o que contribui para aumentar dívida bruta”, pontuou Rocha.

Ainda assim, a dívida bruta registrou um aumento contido, de 77,2% para 77,3% do PIB, de julho para agosto. Conforme Rocha, isso ocorreu porque o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) antecipou o pagamento de R$ 70 bilhões de sua dívida ao Tesouro em agosto.

“O déficit nominal contribuiu para aumentar a dívida bruta. O efeito do câmbio foi um fator de aumento. O fator de redução foi o pagamento do BNDES ao Tesouro”, resumiu Rocha. “Enquanto a economia continuar a ter déficits primários, a dívida vai tender a crescer. Para a dívida se estabilizar, é preciso que o setor público faça superávits primários”, acrescentou.

O post Dívida líquida caiu em agosto em função da desvalorização cambial, diz BC apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!