Armínio propõe reforma da Previdência para economizar R$ 110 bi por ano – Exame

Proposta foi formulado por Paulo Tafner e inclui uma PEC e quatro projetos de lei complementar; economia seria de R$ 1,3 tri em 10 anos

Por Estadão Conteúdo

access_time 1 out 2018, 16h06 – Publicado em 1 out 2018, 15h28

Rio – A nova proposta de reforma da Previdência em elaboração pelo economista Paulo Tafner, em trabalho coordenado pelo ex-presidente do Banco Central (BC) Arminio Fraga, permitirá economia de R$ 1,3 trilhão em dez anos, superior ao previsto no texto aprovado pelo governo Michel Temer na comissão especial que tratou do tema no Congresso Nacional.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo na semana passada, Arminio adiantara que a nova proposta permitiria uma economia de R$ 110 bilhões ao ano para os cofres públicos em dez anos.

Após apresentar os pontos principais da proposta na manhã desta segunda-feira, 1º de outubro, durante evento na Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio, Tafner explicou que o ex-presidente do BC estava com dados preliminares, pois seria possível economizar R$ 130 bilhões ao ano.

Paulo Tafner, economista e Pesquisador na FIPE – Fundação Instituto de Pesquisa Econômica

Paulo Tafner, economista e Pesquisador na FIPE – Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (Youtube/Reprodução)

Tafner, pesquisador da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da USP e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), adiantou na palestra na FGV que a ideia central da proposta é desenhar um novo sistema previdenciário, híbrido, com repartição e capitalização, para os nascidos a partir de 2014. Esse novo sistema começaria a funcionar em 2020 e seria “povoado” apenas em 2030. Com isso, não haveria custo de transição para o novo modelo.

“Garanto que de 2000 a 2035 não perco um real de receita”, disse Tafner ao público na FGV, lembrando que isso é importante porque, nesse período, ocorrerá o “pico de gastos” com a Previdência.

Questionado após a palestra, Tafner evitou aprofundar a proposta. Disse que os estudos ainda estão sendo finalizados e detalhes serão divulgados ainda esta semana.

Na entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Arminio afirmara que a proposta é “independente e apartidária” e será entregue ao presidente eleito. Em maio, quando anunciou, em outra entrevista ao Estado, que estava trabalhando no tema, Arminio adiantara que a proposta seria formatada já em termos de projetos de lei.

Na apresentação desta segunda-feira, Tafner disse que o conjunto inclui uma proposta de emenda constitucional (PEC) e quatro projetos de lei complementar (um para o regime geral, outro para os servidores civis, um terceiro para as Forças Armadas e um quarto para policiais militares e bombeiros). Além do novo sistema para depois de 2020, a proposta inclui renda mínima para os idosos, equivalente a 0,7 salário mínimo.

No caso da reforma do sistema atual, a ideia é usar parâmetros iniciais já negociados e aprovados no texto que passou na comissão especial que analisou o tema no Congresso Nacional, mas acelerar a adesão às novas regras, de forma “dura” e “rápida”. “A transição é curta, mas palatável e justa”, afirmou Tafner na palestra.

Ao público na FGV, Tafner reconheceu que “realmente não sabe” qual seria a estratégia para implantar a nova proposta, pois não sabe como os políticos reagiriam nem quem será eleito nas votações deste mês, mas defendeu a urgência do tema. “Ou fazemos isso ou de fato vamos ser um País velho e pobre”, afirmou o pesquisador, que na palestra mostrou dados apontando que, em 2100, o Brasil será o nono na lista das nações com maior participação de idosos na população.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!